Ação contra Bolsonaro avança no TPI e cresce o isolamento do país

Arquivado em: Brasil, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 18 de dezembro de 2020 as 13:34, por: CdB

Esta é a primeira vez em que o escritório da procuradora-chefe do Tribunal se dispõe a realizar uma análise preliminar da jurisdição em relação a um presidente da República brasileiro.

Por Redação, com BdF – de Haia, Holanda

O isolamento internacional do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ganhou novos contornos nesta sexta-feira, com a formalização, por parte Procuradoria do Tribunal Penal Internacional (TPI), de uma investigação inicial contra denúncias de graves violações contra o meio ambiente e os povos indígenas no Brasil. A ação foi levada ao órgão estabelecido em Haia, na Holanda, pelo Coletivo de Advocacia em Direitos Humanos (CADHu) e pela Comissão Arns, em novembro de 2019.

O Plenário do TPI reúne-se, cotidianamente, para o julgamento de crimes contra a Humanidade
O Plenário do TPI reúne-se, cotidianamente, para o julgamento de crimes contra a Humanidade

Esta é a primeira vez em que o escritório da procuradora-chefe do Tribunal se dispõe a realizar uma análise preliminar da jurisdição em relação a um presidente da República brasileiro. Na ação, de mais de 70 páginas, as instituições sistematizam uma série de pronunciamentos, atividades criminosas e atos contra os Direitos Humanos realizados por Bolsonaro nas políticas indigenista e ambiental. O país bateu todos os recordes de desmatamento no ano passado e à ampliação das ameaças contra povos originários, especialmente em comunidades de indígenas isolados na Amazônia.

— A comunidade internacional, mais um vez, mostra o isolamento de um governo que viola todas regras em relação a esta questão tão sensível para nós, que é a dos povos indígenas, chegando a dizer que não vai demarcar mais nada, que tem terras demarcadas demais. E tem gente morrendo nas mãos de madeireiros, de mineradores, de fazendeiros que invadem as terras. E eles recebem esse sinal, quando o presidente fala — afirmou Belisário dos Santos Júnior, advogado membro fundador da Comissão Arns, à reportagem do site de notícias Brasil de Fato (BdF).

Genocídio

A análise de jurisdição é a primeira fase para que uma investigação seja instaurada no Tribunal de Haia. A procuradoria vai avaliar se as denúncias competem à corte internacional.

— As nossas denúncias não são políticas, elas são denúncias de fatos que estão sendo cometidos e noticiados. Podemos perder comunidades inteiras, por isso falamos em incentivo ao genocídio. Não podemos deixar que isso aconteça — acrescentou.

O Tribunal Penal Internacional (TPI) investiga e julga indivíduos acusados de crimes que atingem uma sociedade e chocam a comunidade internacional, tais como: genocídio, crimes de guerra, crimes contra a humanidade e crime de agressão.

Credibilidade

O TPI foi estabelecido pelo Estatuto de Roma, em julho de 1998, e entrou em vigor em julho de 2002, quando se chegou a adesão de 60 países. O Estatuto de Roma é um tratado internacional, obrigatório somente aos Estados que expressaram formalmente seu consentimento, como é o caso do Brasil.

— O fato do Tribunal Internacional estar analisando [este caso] significa uma grande derrota política e diplomática e um desgaste ainda maior do Brasil na esfera internacional. O Brasil é um país gozava de muita credibilidade, desde os governos Fernando Henrique, mas sobretudo nos governos Lula e Dilma. Passou a figurar entre as principais potências nos espaços multilaterais, e agora vem perdendo muita força — avalia Davi Frigo, vice-presidente do Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH).

Frigo representa no conselho a Plataforma Dhesca Brasil, rede integrada por 40 organizações da sociedade civil brasileira que desenvolve ações de promoção e defesa dos direitos humanos.

Violência

Em um dos trechos da denúncia apresentada ao Tribunal de Haia, o Coletivo de Advocacia em Direitos Humanos (CADHu) e a Comissão Arns argumentam que postura do presidente em desumanizar e veicular um discurso de ódio contra indígenas está associada a medidas práticas tomadas pelo governo.

— As declarações do presidente Jair Messias Bolsonaro devem suscitar profunda preocupação, pois é improvável que o genocídio ocorra sem ser precedido por um discurso de desumanização. Mas o risco de genocídio não está enraizado apenas no discurso: desmantelamento ambiental políticas e estruturas de supervisão e controle também permitiram um aumento da violência em toda a floresta, com líderes indígenas sendo assassinados, impactando diretamente o sobrevivência desses grupos a longo prazo — sublinhou.

No caso dos índios isolados, por exemplo, a petição destaca que, durante nove meses, o governo manteve à frente da coordenação-geral que cuida desses povos, na Fundação Nacional do Índio (Funai), o pastor e ex-missionário evangélico Ricardo Lopes Dias. Ele foi exonerado do cargo no final do mês passado.

— São nomeações de pessoas completamente despreparadas para cargos importantes. São pronunciamentos dizendo que os povos indígenas não merecem a proteção que têm, que não vai haver mais demarcação. Ele [Bolsonaro] reverteu a política indigenista que era um dos orgulhos brasileiros — resumiu Belisário.