Afeganistão diz que Talebã precisará ser derrotado depois de Trump rejeitar conversas

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 30 de janeiro de 2018 as 13:25, por: CdB

Trump condenou o grupo militante por recentes ataques em Cabul e disse que os Estados Unidos não estão preparados para conversar agora

Por Redação, com Reuters – de Cabul:

O Afeganistão disse nesta terça-feira que o Talebã precisará ser derrotado no campo de batalha depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, rejeitou a possibilidade de conversar com os militantes, após uma série de ataques letais.

Troca de tiros entre forças de segurança do Afeganistão e o Talebã, na província de Laghman

O Talebã reagiu ao anúncio de Trump dizendo que nunca quis conversar com os Estados Unidos. Mas uma autoridade graduada do grupo disse suspeitar que esforços ainda serão feitos para prosseguir com as negociações.

Falando com repórteres na Casa Branca na segunda-feira, Trump condenou o grupo militante por recentes ataques em Cabul; e disse que os Estados Unidos não estão preparados para conversar agora. Ele se comprometeu a “terminar o que nós temos que terminar”.

Os comentários sugeriram uma provável vitória militar sobre o Talebã, um resultado que o Exército e autoridades diplomáticas norte-americanas dizem não poder ser alcançado com os recursos e pessoal que Trump autorizou.

Um porta-voz do presidente afegão, Ashraf Ghani, disse que embora o governo tenha encorajado o Talebã a negociar, os ataques em Cabul, incluindo um no sábado que deixou mais de 100 mortos, cruzaram uma “linha vermelha”.

– O Talebã cruzou um linha vermelha e perdeu a chance da paz – disse o porta-voz, Shah Hussain Murtazawi. “Temos que buscar a paz no campo de batalha. Eles precisam ser marginalizados”.

Papa lamenta pela violência do Talebã

O papa Francisco lamentou, no domingo, o atentado terrorista cometido na véspera em Cabul, no Afeganistão; durante uma cerimônia na basílica de Santa Maria Maggiore, em Roma.

— Chegou a dolorosa notícia do Afeganistão de um terrível massacre terrorista cometido na capital Cabul, com mais de 100 mortes e numerosos feridos. Há poucos dias, um outro grave atentado havia semeado morte e terror em um hotel. Até quando o povo afegão deverá suportar essa violência desumana? — disse o Pontífice, na celebração.

Vítimas

Aos fiéis presentes, ele pediu uma “oração em silêncio para todas as vítimas e suas famílias, e por todos aqueles que, naquele país, continuam a trabalhar para construir a paz”.

No sábado, o governo afegão informou que o número de mortos no massacre subiu para 103 e que 235 ficaram feridos. A ação foi reivindicada pelos terroristas do Talebã.