África do Sul devolverá 1 milhão de doses da vacina da AstraZeneca

Arquivado em: África, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 16 de fevereiro de 2021 as 09:58, por: CdB

As autoridades da África do Sul pediram que o Instituto Serum da Índia pegasse de volta 1 milhão de doses da vacina contra o coronavírus desenvolvida pela AstraZeneca e a Universidade de Oxford, escreve The Economic Times, citando fontes administrativas.

Por Redação, com Sputnik – de Pretória

As autoridades da África do Sul pediram que o Instituto Serum da Índia pegasse de volta 1 milhão de doses da vacina contra o coronavírus desenvolvida pela AstraZeneca e a Universidade de Oxford, escreve The Economic Times, citando fontes administrativas.

África do Sul devolverá 1 milhão de doses da vacina da AstraZeneca contra covid-19, diz mídia

A decisão foi tomada pelas autoridades sul-africanas após cientistas anunciarem a baixa eficácia do medicamento da AstraZeneca para combater a variante sul-africana 501Y.V2.

O primeiro lote da vacina foi enviado à África do Sul no início de fevereiro. O Instituto Serum da Índia é um parceiro da farmacêutica AstraZeneca no fornecimento de vacinas a países com baixa e média rendas.

Anteriormente, veio à tona a decisão da África do Sul de interromper a vacinação com a vacina da AstraZeneca. Em vez dela, será utilizada a vacina da empresa Johnson & Johnson.

Novas cepas do coronavírus

O especialista da OMS, Alejandro Cravioto, declarou, citado pelo site da ONU, que a vacina da AstraZeneca é recomendada para uso nos países onde novas cepas do coronavírus foram encontradas. Uma equipe de especialistas estudou capacidades da vacina contra cepa britânica, bem como contra a mutação sul-africana. A análise preliminar realizada com a cepa 501Y.V2 demonstrou redução da eficácia da vacina contra o coronavírus em casos leves e médios, e também “uma redução na produção de anticorpos”.

A cepa 501.V2 do SARS-CoV-2 foi encontrada pela primeira vez na África do Sul em outubro do ano passado. Agora, a variante predomina na nação africana, sendo até mesmo mais contagiosa, segundo dados preliminares.