Airbnb contrata executivo de companhia aérea para oferecer serviços de transporte

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019 as 11:41, por: CdB

A Airbnb afirmou que contratou Fred Reid, um executivo veterano da indústria de aviação, como seu chefe de transporte global, marcando o passo mais definitivo da empresa para a execução de um plano de mais de dois anos de trabalho.

Por Redação, com Reuters – de São Francisco

A Airbnb está se preparando para adicionar opções de transporte à sua linha de serviços de viagens, em uma estratégia da companhia para buscar encontrar novas áreas de crescimento fora de seu negócio original de aluguel de residências para temporadas.

A Airbnb está se preparando para adicionar opções de transporte à sua linha de serviços de viagens

A Airbnb afirmou que contratou Fred Reid, um executivo veterano da indústria de aviação, como seu chefe de transporte global, marcando o passo mais definitivo da empresa para a execução de um plano de mais de dois anos de trabalho.

Em um evento em Los Angeles no final de 2016, a Airbnb divulgou seus esforços para se tornar um site completo de viagens e sugeriu planos para incluir serviços de transporte que os viajantes poderiam reservar junto com a estadia.

O presidente-executivo da empresa, Brian Chesky, disse que a emissão de passagens de avião não será acrescentada à lista.

– Não estou interessado em construir nossa própria companhia aérea ou criar apenas outro lugar na internet onde você possa comprar uma passagem de avião, mas há uma tremenda oportunidade de melhorar a experiência de transporte para todos – disse Chesky.

O Airbnb não especificou o que isso implicaria, mas uma pessoa familiarizada com os planos da empresa disse que a companhia fará parceria com provedores de transporte para que eles possam oferecer seus serviços. Isso pode incluir desde um operador de ônibus de turismo até uma frota de táxis, motorista de tuk-tuk ou guia de barcos em um rio.

As novas linhas de negócios são críticas para que a Airbnb continue crescendo, mesmo com a desaceleração de seu negócio original de reservas de casas, prejudicado por regulamentações que limitaram os aluguéis de curto prazo em áreas urbanas como São Francisco e Nova York. A Airbnb tem sido culpada por uma elevação dos preços de imóveis em grandes mercados.

O objetivo da companhia é que os viajantes reservem cada parte de sua viagem no Airbnb, com a empresa recebendo uma fatia de cada transação e impulsionando a receita. A Airbnb está planejando uma oferta pública inicial (IPO) de ações este ano, e os investidores estarão focados no crescimento quando decidirem como valorizar a empresa.

Amazon

A Amazon.com aderiu na quinta-feira a pedidos por transparência no uso de tecnologia de reconhecimento facial por agências governamentais e afirmou que apoia um conjunto “apropriado” de regras que proteja direitos civis.

No mais detalhado comunicado emitido pela companhia até agora sobre o assunto, Michael Punke, vice-presidente de políticas públicas da unidade de computação em nuvem da Amazon (AWS), afirmou que deve haver um aviso sobre quando a vigilância por vídeo e a tecnologia de reconhecimento fácil são usadas em conjunto em locais públicos ou comerciais.

No mês passado, a Microsoft anunciou princípios similares para o uso de sua tecnologia de reconhecimento facial, afirmando que vai recomendar barrar o uso do sistema em atos de discriminação e incentivar clientes a serem transparentes quando usarem tais serviços.

Desde maio, vários grupos de direitos civis têm pressionado a Amazon para interromper a venda de acessos governamentais ao Rekognition, poderoso software de reconhecimento facial revelado pela AWS em 2016.

Os grupos citaram o uso do Rekognition por autoridades nos Estados norte-americanos de Oregon e Florida e alertaram que a ferramenta será usada contra imigrantes e minorias raciais.

– Novas tecnologias não deveriam ser proibidas ou condenadas por causa de seu potencial uso indevido. Em vez disso, deveria haver um diálogo aberto, honesto e franco entre todas as partes envolvidas que assegure que a tecnologia seja usada apropriadamente – escreveu Punke.

A AWS disse que está em contato com o instituto dos EUA que testa e compara fornecedores de tecnologias de reconhecimento facial e que ainda não é possível “fazer download” de algoritmos do sistema para testes fora da nuvem da Amazon.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *