Alemanha investiga mais uma pessoa suspeita de espionagem

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado quarta-feira, 9 de julho de 2014 as 13:14, por: CdB
Imprensa afirma que suspeito é um militar que também estaria espionando para os Estados Unidos. Parece não haver conexão com o caso revelado há poucos dias
Imprensa afirma que suspeito é um militar que também estaria espionando para os Estados Unidos. Parece não haver conexão com o caso revelado há poucos dias

A Procuradoria Geral da Alemanha confirmou nesta quarta-feira que investiga mais uma pessoa suspeita de atividades de espionagem. Segundo o jornal Süddeutsche Zeitung e as emissoras NDR e WDR, o suspeito estaria espionando para os Estados Unidos.

Segundo a imprensa alemã, o novo suspeito é um militar da Bundeswehr (Forças Armadas). O Ministério da Defesa não confirmou nem desmentiu essa informação. Aparentemente não há nenhuma conexão com o recente caso de um funcionário do Departamento Federal de Investigações (BND, em alemão), também acusado de espionar para os Estados Unidos.

Investigadores fizeram buscas na casa e no escritório do novo suspeito em Berlim, nesta quarta-feira. Nenhuma prisão foi efetuada até o momento. Segundo informações da mídia alemã, o novo caso é considerado pelo governo como ainda mais sério que o do agente duplo do BND.

O Ministério da Defesa afirmou à agência de notícias DPA que, de acordo com as suas próprias investigações, o ministério, as Forças Armadas e o Serviço Militar de Contra-Espionagem (MAD) podem ter sido espionados.

O embaixador americano na Alemanha, John B. Emerson, foi mais uma vez chamado ao Ministério do Exterior em Berlim para dar explicações. Até o momento, nada foi divulgado sobre o conteúdo do encontro.

O ministro do Exterior, Frank-Walter Steinmeier, manifestou sua irritação em engrevista ao jornalSaarbrücke Zeitung. “A tentativa de obter informações sobre as posições alemãs por métodos conspiratórios é vergonhosa e inadequada”, afirmou.

No caso anterior, o suspeito teria espionado ao longo de dois anos e vendido 218 documentos por cerca de 25 mil euros para um serviço secreto dos EUA.