Amazônia tem maior número de queimadas em junho

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 2 de julho de 2020 as 11:08, por: CdB

 

Dados do Inpe apontam aumento de quase 20% em relação ao mesmo mês de 2019 e despertam temor de uma nova crise de queimadas durante período de seca na região. Greenpeace critica abordagem do governo.

Por Redação, com DW – de Brasília

A Amazônia brasileira registrou no último mês de junho 2.248 focos de incêndio, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgados na quarta-feira. Foi o maior número observado para o mês em 13 anos.

Explosão no número de queimadas em agosto de 2019 gerou crise internacional e derreteu imagem do Brasil no exterior
Explosão no número de queimadas em agosto de 2019 gerou crise internacional e derreteu imagem do Brasil no exterior

Os números ainda apontam que as queimadas aumentaram 19,6% em comparação a junho de 2019, quando foram registrados 1.880 focos.

Segundo o instituto, a média histórica para junho na Amazônia é de 2.724 focos de queimadas. O número do último mês foi 17% menor do que essa média dos últimos 21 anos. Só que a região não registrava mais de 2 mil focos desde 2007, quando foram detectados 3.519 pontos de incêndio no bioma.

O aumento desperta dúvidas

O aumento desperta dúvidas sobre a estratégia do governo do presidente Jair Bolsonaro para combater as queimadas na região, depois do escândalo internacional provocado pelos incêndios de agosto de 2019. Em fevereiro, o controle do desmatamento saiu do Ministério do Meio Ambiente e migrou para o Conselho Nacional da Amazônia, liderado pelo vice-presidente Hamilton Mourão.

No entanto, o governo demonstrou em diversas ocasiões que ainda não vem encarando o combate ao desmatamento e às queimadas como prioridade. No vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, o ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) chegou a defender que o governo aproveitasse a pandemia para promover a desregulamentação de mecanismos de proteção ambiental.

Os dados de junho foram registrados no início da temporada de seca na Amazônia e despertam temor sobre como vai ser o ritmo nas próximas semanas. Em nota, o Greenpeace diz que a reposta do governo “continua ineficiente” e denuncia que “órgãos ambientais que atuam de forma estratégica, com experiência e apoiados na ciência, vêm sofrendo redução drástica de autonomia, pessoal e orçamento, impactando fortemente suas operações de fiscalização, fundamentais para o combate ao desmatamento”.

– Com o início da temporada seca e com o fogo batendo à porta, o quadro que vem se desenhando é catastrófico em muitos sentidos. Tanto pela quantidade de árvores que estão sendo tombadas por conta dos incêndios, o que pode levar à morte animais e colocar em risco uma riquíssima biodiversidade, como pelo agravamento da vulnerabilidade das populações da Amazônia à covid-19 – afirma Romulo Batista, da campanha Amazônia do Greenpeace Brasil.

O problema

A ONG ambientalista também destacou problemas na forma como o governo vem lidando com o problema, apontando que operações do Exército brasileiro na Amazônia custam por mês cerca de R$ 60 milhões, montante equivalente a quase 80% do orçamento anual de fiscalização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), órgão governamental voltado para a proteção ambiental no país. Segundo Batista, essas operações não obtiveram o resultado esperado, e o bioma permanece em risco.

Em 2019, houve um total de 89.178 incêndios que devastaram grandes áreas da Floresta Amazônica, 30% a mais do que no ano anterior. O pior mês foi agosto, quando foram registrados 30.901 focos de incêndio, maior número desde 2006.

As imagens dos incêndios de 2019 foram divulgadas pelo mundo e foram amplamente condenadas pela comunidade internacional e pela sociedade civil, que atribuíram o desastre ao discurso de Bolsonaro, que defende a exploração dos recursos naturais em toda a Amazônia, incluindo reservas indígenas.

A Amazônia é a maior floresta tropical do mundo e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta, com cerca de 5,5 milhões de quilômetros quadrados, e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (pertencente à França).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *