Amazônia: mulheres agricultoras falam sobre preservação

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado sábado, 5 de setembro de 2020 as 11:52, por: CdB

Com mais de 5,5 milhões de quilômetros quadrados de área espalhados por nove países, ela é lar de dezenas de milhares de espécies de plantas, pássaros, mamíferos, peixes e insetos. Presente no imaginário coletivo internacional como o pulmão do mundo.

Por Redação, com ABr – de Brasília

Com mais de 5,5 milhões de quilômetros quadrados de área espalhados por nove países, ela é lar de dezenas de milhares de espécies de plantas, pássaros, mamíferos, peixes e insetos. Presente no imaginário coletivo internacional como o pulmão do mundo, é impossível separá-la da imagem do Brasil, há quem diga que ela está representada na bandeira nacional como a base que sustenta todos os outros símbolos, o grande retângulo verde. Neste sábado, comemora-se o Dia da Amazônia.

Agricultoras usa técnicas sustentáveis de plantio e extração
Agricultoras usa técnicas sustentáveis de plantio e extração

Observada e cobiçada por seus vastos recursos naturais, a floresta enfrentou um ano difícil, mas de grandes avanços. Afetada por incêndios criminosos e práticas predatórias de extração, os esforços para monitorar e proteger tanto a floresta quanto os povos que vivem na região e tiram seu sustento dela são contínuos. A região é um desafio para o governo federal, que vem buscando maneiras de aprimorar o monitoramento e reduzir ações criminosas.

Para compreender melhor como as práticas predatórias assolam a Amazônia, à Agência Brasil ouviu relatos de mulheres que trabalham exclusivamente com técnicas sustentáveis de plantio e extração, e como a mudança para a chamada bioeconomia – terminologia usada para definir o mercado que tem como base os recursos biológicos recicláveis, renováveis e com consumo e exploração conscientes, pode mudar também o paradigma para a preservação ambiental do país.

– A gente começou desacreditada. Éramos um grupo de leigos, todo mundo humilde, de família de agricultor, sem esses conhecimentos – conta Maria Josefa Machado Neves. “Quem joga veneno na lavoura, joga veneno nas pessoas, e quem queima a floresta, queima a própria casa”, diz Josefa, que é chefe de família e que, desde os 10 anos tira o sustento da agricultura.

– Infelizmente ainda é muito comum o pessoal tratar a terra assim, fazendo destruição. A gente vê que o povo não tem muito respeito, mas vamos educando, ensinando. A pessoa tem que entender o resultado (das queimadas) e ver que tem maneiras melhores de fazer aquilo (preparar o solo). Quando ela vê que destruindo menos ela pode até ganhar mais dinheiro, ela começa a mudar.

Dona de um jeito tranquilo e eloquente, Josefa conta que seu trabalho na agricultura mudou após ter contato com o Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora), uma associação civil sem fins lucrativos, criada em 1995, que ensina técnicas de conservação voltadas às boas práticas de manejo e gestão responsável de recursos naturais.

Josefa afirma que a fiscalização existe e está presente na região, mas que, por razões que escapam à sua compreensão, o resultado ainda não é animador. “A gente sempre vê a fiscalização. Mas também sempre vê queimadas. E é triste, sabe? A gente sabe que a floresta sofre. Imagina se as pessoas soubessem que, sem derrubar, sem queimar, dá pra tirar o sustento.”

Participante do projeto Roça sem Fogo, do Imaflora, Francidalva Correa De Lima também é agricultora familiar desde a infância e faz questão de educar membros da comunidade, que ainda insistem nas queimadas e no uso de agrotóxicos, sobre técnicas menos invasivas e mais sustentáveis de trabalho. “Sempre que tem fogo na mata é que tem alguém achando que vai ganhar dinheiro, que é melhor pra ele. Eu ensino, falo sobre adubo, sobre como fazer. É tudo assim, de roça mesmo. Depois, tudo isso faz mal para a gente, tudo isso volta. O esforço é grande. É uma situação difícil”, lamenta.

Sobre sonhos, ambas esperam que a região se desenvolva e chegue a ponto de oferecer estudo, conhecimento e a estrutura necessária para ampliar as atividades econômicas sustentáveis, que ainda não são a norma. Abrir as portas para a movimentação de mercadorias para outros estados também é uma meta que Josefa afirma que sonha alcançar.

Guardiões da Amazônia

– É uma satisfação trabalhar na roça. Pagar uma continha, tirar um dinheirinho. Faço o que gosto. A gente sabe que tem que preservar, mas precisa de ajuda – diz Francidalva. E a ajuda pode vir da própria comunidade, com o aplicativo Guardiões da Amazônia.

Desenvolvido para ajudar a monitorar e dar respostas rápidas às queimadas, o Guardiões da Amazônia conta com a iniciativa de usuários para mapear atividades ilegais no vasto bioma. Lançado em junho pela 17ª Brigada de Infantaria de Selva, o aplicativo foi desenvolvido para apoiar a Operação Verde Brasil II, a principal operação contra o desmatamento em curso no Brasil.

Com ele, usuários podem fazer denúncias e registrar focos de incêndio através de fotos geolocalizadas. Crimes ambientais, como caça ilegal ou extração de madeira sem autorização, também podem ser denunciados. O aplicativo está disponível na Google Play.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code