Ambientalista é encontrado morto no México

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 4 de fevereiro de 2020 as 11:04, por: CdB

Raul Hernandez Romero é o segundo ativista da Reserva da Biosfera da Borboleta-Monarca assassinado em poucos dias. Ele e Homero Gómez González denunciaram atividade de madeireiros na região.

Por Redação, com DW – de Cidade do México

Um segundo guia que trabalhava na Reserva da Biosfera da Borboleta-Monarca, um Patrimônio Mundial da Unesco no sul do México, foi encontrado morto, segundo noticiou na segunda-feira a imprensa local.

Funeral de Homero Gómez González reuniu centenas em Ocampo
Funeral de Homero Gómez González reuniu centenas em Ocampo

Raul Hernandez Romero estava desaparecido desde 27 janeiro, quando deixou sua casa na cidade de Angangueo, que está localizada dentro da reserva. A polícia teria encontrado seu corpo em Ocampo, que fica próximo a Angangueo, com vários hematomas e um aparente ferimento de faca na cabeça.

Poucos dias antes, o corpo do ativista Homero Gómez González, que também trabalhava na reserva, havia sido encontrado em Ocampo. Ele também tinha uma lesão na cabeça e foi afogado num poço.

Ambos os ambientalistas denunciaram o desmatamento que estava ocorrendo dentro da reserva que recebe anualmente milhões de borboletas-monarca de migram do sul do Canadá para o México.

Exploração de madeira

González, de 50 anos, era um ativista conhecido que lutava contra a exploração de madeira na região. Segundo seu irmão, ele foi visto pela última vez em 13 de janeiro numa celebração na comunidade ao lado do prefeito de Ocampo, Roberto Arriaga Collín, e de várias autoridades locais.

A polícia descarta que González tenha sido vítima de latrocínio, roubo seguido de morte, pois cerca de US$ 500 foram encontrados junto com o corpo.

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, afirmou que a morte de Gonzalez é dolorosa e disse que acredita que ela estaria ligada ao crime organizado.

A exploração de madeira, tanto legal como ilegal, a mineração e agricultura, assim como o turismo são atividades presentes dentro da reserva e ameaçam o bem-estar das borboletas e a estabilidade de sua migração. Também há a presença de grupos ligados ao tráfico de drogas, que disputam as rotas de contrabando.

No ano passado, 14 ambientalistas foram assassinados no México, 11 deles eram indígenas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *