Ambiente tenso entre Poderes da República fica ainda mais conflagrado

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 20 de maio de 2022 as 17:04, por: CdB

Frente ao rolo compressor bolsonarista, que reverberou a ofensiva contra Moraes, principalmente, membros da principal Corte do país saíram em defesa do colega. Como já era esperado, na quarta-feira o ministro Dias Toffoli, sorteado para apreciar a denúncia feita pelo presidente, rejeitou as cinco justificativas apresentadas por Bolsonaro.

Por Redação – de Brasília

A queixa-crime apresentada por Jair Bolsonaro contra o ministro Alexandre de Moraes, nesta segunda-feira, deflagrou uma nova crise na sua já conturbada relação com o Supremo Tribunal Federal (STF). Embora a alegação de abuso de autoridade tenha sido rechaçada apenas dois dias depois, o ambiente permanece tenso entre os dois Poderes da República, o que eleva a preocupação dos brasileiros com os rumos das eleições majoritárias deste ano.

Alexandre de Moraes
O ministro Alexandre de Moraes tem sido alvo de sucessivos ataques do presidente Jair Bolsonaro (PL)

Na véspera, o presidente manteve o tom beligerante ao reclamar de “interferências indevidas” do STF durante um evento no Rio de Janeiro. Para a oposição e juristas ouvidos pela reportagem do site de notícias Brasil de Fato (BdF), o ataque faz parte da estratégia de Bolsonaro para desestabilizar as instituições democráticas, criar uma “cortina de fumaça” sobre problemas mais graves para o país e uma batalha de versões sobre o sistema eleitoral.

Autoridades

Frente ao rolo compressor bolsonarista, que reverberou a ofensiva contra Moraes, principalmente, membros da principal Corte do país saíram em defesa do colega. Como já era esperado, na quarta-feira o ministro Dias Toffoli, sorteado para apreciar a denúncia feita pelo presidente, rejeitou as cinco justificativas apresentadas por Bolsonaro.

Para juristas, são vastas as provas colhidas sobre os casos, que também colocam na mira da PF outras autoridades do mais alto escalão do governo, como os generais Luiz Eduardo Ramos (Secretaria-Geral da Presidência da República) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

code