América Latina tem maior número de mortos por covid-19, no mundo

Arquivado em: América Latina, Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 5 de agosto de 2020 as 10:50, por: CdB

A América Latina ultrapassou a Europa na terça-feira para tornar-se a região do mundo com maior número de mortos pelo coronavírus, de acordo com uma contagem da agência inglesa de notícias Reuters.

Por Redação, com Reuters – de Buenos Aires/Londres

A América Latina ultrapassou a Europa na terça-feira para tornar-se a região do mundo com maior número de mortos pelo coronavírus, de acordo com uma contagem da agência inglesa de notícias Reuters.

Covas no Cemitério Parque Tarumã em Manaus
Covas no Cemitério Parque Tarumã em Manaus

A região já registrou mais de 206 mil mortes pela covid-19, doença causada pelo coronavírus, aproximadamente 30% do total do mundo.

O Brasil, país latino-americano mais afetado pelo novo coronavírus, tinha 95.819 mortes causadas pela doença até a terça-feira. O México, segundo país da região mais atingido, tinha 48.869 óbitos.

A disseminação da pandemia também acelerou na Colômbia, no Peru, na Argentina e na Bolívia.

Na semana passada a América Latina tornou-se a região mais afetada do mundo em número de casos. Na segunda-feira, o número de infecções na região passou de 5 milhões, de acordo com uma contagem da Reuters baseada em dados dos governos.

O número de casos aumentou depois que autoridades relaxaram medidas de distanciamento social para estimular a economia.

O vírus infectou mais de 18,6 milhões de pessoas no mundo e o número de mortos globalmente passa de 700 mil.

Jovens com covid-19

Jovens que estão frequentando casas noturnas e praias lideram um aumento de casos de coronavírus em todo o mundo, com o percentual de pessoas entre 15 e 24 anos infectadas crescendo três vezes em cerca de cinco meses, informou a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Uma análise da OMS de 6 milhões de infecções entre 24 de fevereiro e 12 de julho constatou que a parcela de pessoas com idades entre 15 e 24 anos subiu de 4,5% para 15%.

Além dos Estados Unidos, que lideram uma contagem mundial com 4,8 milhões de casos no total, países europeus, incluindo Espanha, Alemanha e França, e países asiáticos, como o Japão, disseram que muitos dos recém-infectados são jovens.

– As pessoas mais jovens tendem a ser menos vigilantes quanto ao uso de máscaras e ao distanciamento social – disse à Reuters Neysa Ernst, gerente de enfermagem da unidade de biocontenção do Hospital Johns Hopkins, em Baltimore, Maryland.

– Saídas aumentam as chances de pegar e espalhar a covid-19 – afirmou, acrescentando que os jovens têm mais probabilidades de sair para trabalhar, ir à praia, frequentar bares e comprar mantimentos.

O aumento de novos casos

O aumento de novos casos, a chamada segunda onda de infecções, levou alguns países a impor novas restrições à circulação de pessoas, mesmo com empresas se esforçando para encontrar uma vacina para o vírus que se espalha rapidamente e que já matou mais de 680.000 pessoas.

Até países como o Vietnã, amplamente elogiados por seus esforços de mitigação desde o surgimento do coronavírus no final de janeiro, estão lutando contra novos focos de infecção.

Entre os infectados, cerca de 4,6% tinham entre 5 a 14 anos, contra 0,8% entre 24 de fevereiro e 12 de julho, segundo a OMS, no momento em que os testes aumentaram e os especialistas em saúde pública estão preocupados com a possibilidade de que a reabertura das escolas leve a um aumento nos casos.

Anthony Fauci, o principal especialista dos EUA em doenças infecciosas, pediu aos jovens no mês passado que continuem a cumprir distanciamento social, usem máscaras e evitem multidões, e alertou que pessoas assintomáticas também podem espalhar o vírus.

Especialistas em saúde de vários países pediram medidas semelhantes ao reportar que jovens infectados apresentam poucos sintomas.

– Já dissemos isso antes e diremos novamente: os jovens não são invencíveis – disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em entrevista coletiva em Genebra na semana passada.

– Os jovens podem ser infectados; os jovens podem morrer; e os jovens podem transmitir o vírus a outras pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *