Ana Botafogo estréia Onegin com emoção à flor da pele

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado segunda-feira, 8 de dezembro de 2003 as 13:52, por: CdB

Em Onegin, de John Cranko, todo um repertório de imagens visuais desaba sobre nós, com expressividade própria. Remontado pela primeira vez no Brasil, o balé de 1965 alia a linguagem neoclássica a grandes doses de dramaticidade. A montagem do Balé do Teatro Municipal do Rio é o ponto alto de um ano de raras produções, um triunfo técnico e artístico que apaga as turbulências de bastidor.

Baseado no poema de Pushkin (1799-1837), é um balé da clareza, estruturado em temas e repetições. Cranko combina e condensa as ações teatrais, numa coreografia onde cada movimento tem peso próprio; uma dança em espirais, rica de conexões que antecipam ou revelam o caráter do que se vê. A música de Tchaikovski (adaptada por Kurt-Heinz Stolze) foi bem tocada, domingo, pela Orquestra do Municipal regida por Javier Orbe.

Onegin é a história de Tatiana (Ana Botafogo), que vive numa vila russa em 1820 e se apaixona pelo forasteiro Onegin (Marcelo Misaildis). Ele lhe foi apresentado por Lenski (Vitor Luiz), o noivo de sua irmã Olga (Roberta Marques). Honra e amizade surgem de várias perspectivas: não só uma história, mas seus desdobramentos, pelo olhar de cada um.

Com cortinas que ocultam tanto quanto compõem as cenas, os cenários criam vários ambientes: dança dos camponeses; da burguesia; e um elegante baile em São Petersburgo. As próprias danças (valsa, mazurca etc.) já dão ritmo característico às cenas; e os sentimentos paradoxais de Tatiana e Onegin têm de ser vistos no contexto deste cenário sonoro.

Com Cranko, a linguagem do balé é sempre pungente. O drama se expressa nos gestos, mas também na tensão entre os corpos. E os bailarinos cariocas responderam à altura. Antes da estréia, o atual diretor do Balé, Richard Cragun chegara a pedir demissão. Em cena, a força da dança prevalece sobre as fragilidades internas da companhia.

Onegin
Teatro Municipal do Rio (Pça. Floriano, s/nº, tel. 0/xx/21 2262-3935) 
dias 11 e 12/12, às 20h; 13 e 14/12, às 18h, de R$ 10 a R$ 30