ANA reúne sala de crise para discutir cheia do Rio Tocantins

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 6 de janeiro de 2022 as 13:53, por: CdB

Dados coletados pela Rede Hidrometeorológica Nacional (RHN), coordenada pela ANA, apontavam que, até o começo da tarde de terça-feira, o nível da água dos rios já tinha superado as respectivas cotas de atenção nas proximidades de ao menos 12 localidades, deixando autoridades públicas e a população de prontidão.

Por Redação, com ABr – de Brasília

A Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) realizou nesta quinta-feira, a segunda reunião da sala de crise instituída para monitorar a alta do nível de cursos d’água da Bacia do Rio Tocantins.

O nível da água dos rios já tinha superado as respectivas cotas de atenção

O evento, que foi transmitido pelo canal da agência no Youtube, estava agendado desde o dia 28 de dezembro, data em que os representantes dos órgãos públicos que compõem o grupo se reuniram pela primeira vez para tratar das consequências das fortes chuvas que começavam a atingir a região.

Conforme à Agência Brasil noticiou quarta, o volume atípico das chuvas sobre a Bacia do Tocantins tem causado a elevação do nível de rios como o Tocantins e seus afluentes, prejudicando milhares de pessoas em várias cidades de quatro estados (Goiás, Maranhão, Pará e Tocantins).

Dados coletados pela Rede Hidrometeorológica Nacional (RHN), coordenada pela ANA, apontavam que, até o começo da tarde de terça-feira, o nível da água dos rios já tinha superado as respectivas cotas de atenção nas proximidades de ao menos 12 localidades, deixando autoridades públicas e a população de prontidão.

No início da noite de quarta-feira, o governo do Tocantins decretou situação de emergência em todo o Estado.

Evolução das chuvas

Em nota enviada após a publicação da primeira reportagem, a ANA informou que monitora a evolução das chuvas, dos níveis e da vazão dos principais rios, reservatórios e bacias hidrográficas do país. E que as informações são todas compartilhadas, de forma a subsidiar as autoridades públicas responsáveis pela tomada de decisões que busquem prevenir e reduzir os efeitos de eventos naturais críticos.

Devem participar da reunião desta tarde representantes dos centros nacionais de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad) e de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), vinculados, respectivamente, aos ministérios do Desenvolvimento Regional e da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), além do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS); defesas civis estaduais e de outros órgãos gestores de recusos hídricos ou envolvidos com a temática.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code