Anvisa aprova testes rápidos para coronavírus em farmácias

Arquivado em: Destaque do Dia, Saúde, Últimas Notícias, Vida & Estilo
Publicado terça-feira, 28 de abril de 2020 as 11:45, por: CdB

A diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta terça-feira a aplicação de testes rápidos para a detecção do novo coronavírus em farmácias.

Por Redação, com ABr – de Brasília/São Paulo

A diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta terça-feira a aplicação de testes rápidos para a detecção do novo coronavírus (covid-19) em farmácias. Com a decisão, a realização deixará de ser aplicadas apenas em ambiente hospitalar e clínicas das redes públicas e privadas.

Medida visa diminuir aglomeração de pesooas em hospitais
Medida visa diminuir aglomeração de pesooas em hospitais

– O aumento (dos testes) será uma estratégia útil para diminuir a aglomeração de indivíduos (em hospitais) e também reduzir a procura dos serviços médicos em estabelecimento das redes públicas – disse o diretor presidente substituto da Anvisa, Antonio Barra Torres.

As farmácias não serão obrigadas a disponibilizar o teste. O estabelecimento que optar pelo procedimento deverá ter profissional qualificado para realizar do exame.

A realização dos exames não servirá para a contagem de casos do coronavírus no país. Em seu voto, Barra Torres, que foi o relator do processo, destacou ainda que o teste não terá efeito de confirmação do diagnóstico para o coronavírus, uma vez que há a possibilidade de o teste apontar o chamado “falso negativo” quando o paciente é testado ainda nos primeiros dias de sintomas.

– Os testes imunocromatográficos não possuem eficácia confirmatória, são auxiliares. Os testes com resultados negativos não excluem a possibilidade de infecção e os positivos não devem ser usados como evidência absoluta de infecção, devendo ser realizados outros exames laboratoriais confirmatórios – disse.

A liberação

A liberação dos testes rápidos em farmácias enfrentava resistências, devido a questões sanitárias e ligadas também à eficácia dos exames. Ao comentar a aprovação da realização dos testes em farmácias, Barra Torres lembrou que esses testes vem sendo feitos por determinação de alguns governos locais.

A liberação desses testes será temporária e deve permanecer no período de emergência de saúde pública nacional decretado pelo Ministério da Saúde, em 4 de fevereiro deste ano.

Hospital das Clínicas

O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) terá mais 100 novos leitos de unidades de terapia intensiva (UTI) para tratamento do novo coronavírus. Com isso, o hospital chegará a 300 leitos de UTI destinados especificamente para a covid-19 (doença provocada pelo coronavírus).

O Hospital das Clínicas tem uma unidade exclusiva para o tratamento de pessoas infectadas por conavírus, com 900 leitos, sendo agora 300 destinados para unidades de terapia intensiva. Para ampliar em mais 100 leitos de UTI na unidade, o governo de São Paulo contou com R$ 24 milhões em doações de hospitais privados (Albert Einstein, Beneficência Portuguesa, Rede D’Or e Sírio Libanês) e do Banco BTG.

Segundo o governador João Doria, os 40 primeiros novos leitos entrarão em funcionamento na primeira quinzena de maio. Os demais começam a funcionar no final do mês de maio.

De acordo com Tarcisio Eloy Pessoa de Barros Filho, que administra o Hospital das Clínicas, a intenção é que a unidade chegue a ter 300 leitos de UTI.

– Entregamos 200 leitos de UTI, mas ficou claro que a pandemia vai exigir mais de nós – disse Eloisa Bonfá, diretora clínica do Hospital das Clínicas.

Segundo a médica, quase mil pessoas estiveram internadas no Hospital das Clínicas durante a pandemia.

– O Hospital das Clínicas isolou seu maior instituto no dia 30 de março e hoje estamos chegando muito próximo de mil pacientes internados, que passaram por lá neste período. E aqui fica um alerta: isto só foi possível porque tivemos tempo e locais para atender. Se estes mil pacientes chegassem a nossa porta em um dia, nós não teríamos condições de atende-los. Estamos nos preparando para a maior operação de guerra pela vida que o HC presenciou em seus 76 anos de vida.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *