Anvisa autoriza retomada de testes com vacina da Johnson & Johnson

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 3 de novembro de 2020 as 13:52, por: CdB

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou nesta terça-feira a retomada dos testes clínicos no país com a potencial vacina contra covid-19 da farmacêutica Janssen-Cilag, subsidiária da Johnson & Johnson, informou a agência reguladora em nota.

Por Redação, com Reuters – de Brasília

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou nesta terça-feira a retomada dos testes clínicos no país com a potencial vacina contra covid-19 da farmacêutica Janssen-Cilag, subsidiária da Johnson & Johnson, informou a agência reguladora em nota.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a retomada dos testes clínicos no país
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a retomada dos testes clínicos no país

Os testes com o candidato a imunizante estavam suspensos desde o dia 12 de outubro, depois de um participante dos estudos nos Estados Unidos apresentar um evento adverso grave.

“A decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária garante segurança aos voluntários brasileiros que queiram participar do experimento”, disse a Anvisa no comunicado.

“Após avaliar os dados do evento adverso e as informações do Comitê Independente de Segurança e dados da autoridade regulatória norte-americana (Food and Drugs Administration -FDA) a Anvisa concluiu que a relação benefício e risco se mantém favorável e que o estudo poderá ser retomado”, acrescentou a agência.

Candidata a vacina da Johnson & Johnson no Brasil

Ainda de acordo com a Anvisa, quando o ensaio clínico foi interrompido, 12 voluntários no Rio de Janeiro já haviam recebido a dose da potencial vacina ou o placebo. O estudo com a candidata a vacina da Johnson & Johnson no Brasil deve ser realizado em 11 Estados e incluir até 7.560 voluntários.

“É importante destacar que a Anvisa continuará acompanhando todos os eventos adversos observados durante o estudo e, caso seja identificada qualquer situação grave com voluntários brasileiros, irá tomar as medidas previstas nos protocolos para a investigação criteriosa”, disse a Anvisa.