Apesar de Bolsonaro, Rússia mantém Brasil entre parceiros comerciais

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 22 de abril de 2021 as 16:54, por: CdB

O presidente russo discursou perante o parlamento do seu país, na véspera, e destacou atividades da Rússia junto ao BRICS e a outras iniciativas internacionais das quais Moscou faz parte. Segundo Vladimir Putin, a Rússia tenta desenvolver relações na base do respeito mútuo com a maioria absoluta dos países do mundo.

Por Redação, com Sputnik – de Moscou

Apesar do alinhamento do Brasil aos EUA anunciado pelo governo de Jair Bolsonaro, especialistas ouvidos pela agência russa de notícias Sputnik acreditam que, dentro e fora do BRICS, o grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, o governo brasileiro tem buscado manter relações pragmáticas e estratégicas com a Rússia.

Presidente da Federação da Rússia, Vladimir Putin
Presidente da Federação da Rússia, Vladimir Putin prega um discurso de pragmatismo nas relações comerciais com o Brasil

O presidente russo discursou perante o parlamento do seu país, na véspera, e destacou atividades da Rússia junto ao BRICS e a outras iniciativas internacionais das quais Moscou faz parte. Segundo Vladimir Putin, a Rússia tenta desenvolver relações na base do respeito mútuo com a maioria absoluta dos países do mundo e pretende ampliar os contatos com os seus parceiros no quadro dos diversos blocos dos quais é membro.

Nesse mesmo discurso, o chefe de Estado também falou sobre as mediações de conflitos feitas por Moscou e sobre seus esforços em prol da estabilidade estratégica internacional, que caminham ao lado do desenvolvimento de modernos sistemas de armamentos, inclusive nucleares.

Kipling

​Ainda de acordo com o presidente russo, apesar dessa busca de Moscou por relações baseadas na diplomacia, a Rússia é alvo constante da má vontade e implicância de determinados governos, que, inclusive, tendem a levar outros parceiros a também adotar uma atitude antirrussa.

Nesse sentido, Vladimir Putin comparou a situação de alguns desse países com o comportamento do chacal Tabaqui, do livro de contos “O Livro da Selva”, do escritor britânico Rudyard Kipling, que pulava ao redor do poderoso tigre Shere Khan acreditando que este era o dono da selva e, assim, poderia lhe conceder benefícios e proteção.

— Nós vemos o que está acontecendo na vida real. Como eu já disse, tentam implicar com a Rússia de todo lado, sem razão nenhuma. E, claro, logo, em torno deles, como em torno de Shere Khan (países que ameaçam a Rússia), surgem esses pequenos Tabaqui (países que imitam as nações que ameaçam a Rússia). (…) Uivam para obter favores de seu soberano — resumiu o presidente.