Após Wyllys, ameaça de morte a desafetos de Bolsonaro leva professora ao exílio

Arquivado em: Brasil, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 29 de janeiro de 2019 as 14:18, por: CdB

Professora da UnB, Débora Diniz receia que seu caso se torne mais frequente, em consequência da eleição de Jair Bolsonaro.

 

Por Redação – de Brasília

 

Professora da Universidade de Brasília (UnB), a antropóloga Débora Diniz tem sido alvo de ataques e ameaças de morte por sua defesa da descriminalização do aborto até a 12º semana de gravidez. A partir desta terça-feira, ela foi incluída no Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos do Governo Federal e levada para fora do país. Seu destino é desconhecido, por motivo de segurança.

A antropóloga Débora Diniz foi forçada a deixar o país, diante das ameaças de morte sofridas por suas posições políticas
A antropóloga Débora Diniz foi forçada a deixar o país, diante das ameaças de morte sofridas por suas posições políticas

Diniz receia que seu caso se torne mais frequente em consequência da eleição de Jair Bolsonaro. O militar tem demonstrado, por diversas vezes, ser contrário as pautas que asseguram os direitos das mulheres, negros, gays e indígenas.

— Orientadas por uma lógica religiosa messiânica, as políticas anunciadas pelo novo governo e a futura ministra (Damares Alves) colocam em risco os direitos das mulheres — disse Débora, em entrevista ao diário conservador espanhol El País.

Antes de ter de deixar o país, Débora precisou se retirar de vários eventos no Brasil para escapar de manifestantes que a intimidavam.  Pessoas do seu círculo de relacionamento também sofreram ameaças.

— Chegaram ao ponto de cogitar um massacre na universidade caso eu continuasse dando aulas. A estratégia desse terror é a covardia da dúvida. Não sabemos se são apenas bravateiros. Há o risco do efeito de contágio, de alguém de fora do circuito concretizar a ameaça, já que os agressores incitam violência e ódio contra mim a todo o momento — afirmou.

Mártir

Diniz se emociona ao falar sobre o desgaste emocional diante das ameaças; longe da universidade e do país.

— Assim como outros defensores dos direitos humanos, não posso me permitir a cruzar limites sob o risco de virar mártir — afirmou.

Às vésperas da posse do presidente eleito Jair Bolsonaro, ela teme pelo recrudescimento de ataques a militantes feministas no Brasil.

— Orientadas por uma lógica religiosa messiânica, as políticas anunciadas pelo novo governo e a futura ministra (Damares Alves) colocam em risco os direitos das mulheres. É um perigo constante defender posições no país que mais mata ativistas dos direitos humanos — acrescentou.

Princípios

A professora entende ainda que é preciso um pacto da sociedade brasileira para se opor à “crueldade das ameaças”, destacando a vulnerabilidade de políticos como os deputados do PSOL Jean Wyllys e Marcelo Freixo, ambos ameaçados de morte por causa de seus posicionamentos ideológicos ou atividade parlamentar.

— É um perigo constante defender posições no país que mais mata ativistas dos direitos humanos — disse.

Aos 48 anos, a antropóloga espera poder voltar logo a Brasília para retomar a rotina na universidade. Enquanto isso, se mantém firme na defesa de seus princípios e no desenvolvimento de pesquisas, reforçando que a mudança não significa uma renúncia às causas que defende.

— Não saí do Brasil porque fui ameaçada, mas para proteger outras pessoas. Se as ameaças fossem somente contra mim, eu jamais sairia. Mais do que nunca, mesmo à distância, eu sigo fazendo meu trabalho. Não vão me calar — relata.

Desfaçatez

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), terceiro filho do presidente Jair Bolsonaro, no entanto, tenta minimizar o risco à vida das pessoas ameaçadas. Em mensagem distribuída nas redes sociais, o parlamentar tentou amenizar o exílio do também deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ).

Radical de direita, o parlamentar cita uma ameaça ao senador Magno Malta (PR-ES) feita por um rapaz identificado como Marcelo Valle Silveira Mello, preso e condenado a 41 anos de prisão entre vários crimes. O filho do presidente Jair Bolsonaro tenta desviar atenção para o fato de que o pessolista tem sido ameaçado por milicianos ligados ao clã Bolsonaro.

Mello ameaçou Malta e Wyllys de atentados caso ambos não renunciassem.

“O mesmo homem que ameaçou Jean Wyllys também ameaçou Magno Malta, está no processo judicial. Será que @MagnoMalta também vai sair do Brasil? Outra coisa, como dizer que o Estado foi omisso se o réu foi condenado a 41 anos de prisão por terrorismo, racismo e pedofilia em 2018?!”, disse Eduardo Bolsonaro no Twitter.

A polícia do Rio, ao longo dos últimos dias, prendeu milicianos suspeitos de envolvimento com o assassinato da ex-vereadora Marielle Franco (PSol). A mãe de um deles – o ex-capitão do Bope Adriano Magalhães da Nóbrega -, que está foragido, trabalhou no gabinete do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) na Assembleia Legislativa do Rio. O parlamentar também já tinha feito homenagens ao policial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *