Apple faz parceria com estúdio vencedor do Oscar

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Tablet & Celulares, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 16 de novembro de 2018 as 10:33, por: CdB

O acordo surge em um momento em que os principais provedores de serviços de streaming online, incluindo Netflix, Prime Video, da Amazon.com, e HBO, da Time Warner, estão gastando bilhões para criar conteúdo original.

Por Redação, com Reuters – de Nova York

A Apple fechou um acordo de vários anos com a A24, o estúdio por trás de projetos premiados com o Oscar como Moonlight e Amy, disse uma fonte familiarizada com os planos à agência inglesa de notícias Reuters, com a fabricante do iPhone aprofundando em conteúdo original e filmes.

A Apple fechou um acordo de vários anos com a A24

A Apple, que havia alocado US$ 1 bilhão inicialmente em programação, fechou anteriormente acordos com celebridades de Hollywood, incluindo Oprah Winfrey, e encomendou duas temporadas de uma série estrelada por Reese Witherspoon e Jennifer Aniston para oferecer mais conteúdo para seus usuários.

Outros projetos anunciados pela Apple incluem um remake da série de antologia de ficção científica de Steven Spielberg, Amazing Stories, baseada nos influentes romances de ficção científica Foundation, de Isaac Asimov, e um drama do diretor de filme La La Land, Damian Chazelle.

As indicações ao Oscar da A24, com sede em Nova York, incluem “Lady Bird” e “Room”.

O acordo surge em um momento em que os principais provedores de serviços de streaming online, incluindo Netflix, Prime Video, da Amazon.com, e HBO, da Time Warner, estão gastando bilhões para criar conteúdo original.

Apple irá empregar sobreviventes do tráfico

A Apple empregará sobreviventes do tráfico em sua rede de lojas, informou a gigante de tecnologia depois de conquistar um prêmio internacional por trazer a público detalhes de suas cadeias de abastecimento na tentativa de ajudar a erradicar a escravidão moderna.

A Apple diz que desde 2012 reduziu o número de trabalhadores menores de idade em sua cadeia de abastecimento ampliada, que inclui locais em que minerais raros são extraídos para serem usados em smartphones.

Grupos de direitos trabalhistas haviam criticado a Apple e sua maior parceira, a Foxconn, pelo excesso de trabalho extra, por empregar trabalhadores menores de idade e por não oferecer planos de saúde.

– Sendo uma empresa cuja trabalho toca as vidas de tantas pessoas, sentimos que temos uma responsabilidade enorme… de transformar nossos valores em ações – disse Angela Ahrendts, diretora de varejo da Apple, durante a Trust Conference, que foi realizada em Londres na quarta-feira e teve a Thomson Reuters Foundation como anfitriã.

– Embora só tenhamos começado, vemos uma oportunidade tremenda para ser um raio de esperança para os sobreviventes do tráfico ao integrá-los às nossas equipes mundiais de varejo – disse ela ao receber o prêmio concebido pelo escultor britânico Anish Kapoor.

O Prêmio Acabe com a Escravidão da Thomson Reuters Foundation homenageia as iniciativas de empresas para identificar, investigar e erradicar o trabalho forçado de suas cadeias de abastecimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *