Arábia Saudita impede Irã de participar de reunião sobre ‘plano de paz’

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020 as 10:37, por: CdB

Donald Trump prometeu US$ 50 bilhões para viabilizar o futuro Estado palestino, que seriam disponibilizados por doadores árabes, além de um futuro acordo de livre comércio entre a Palestina e os EUA.

Por Redação, com Sputnik – de Jidá

A Arábia Saudita recusou vistos à delegação do Irã para participação da reunião extraordinária da Organização para a Cooperação Islâmica (OCI), marcada para esta segunda-feira em Jidá a fim de discutir o “Acordo do Século” de Trump.

Arábia Saudita impede Irã de participar de reunião sobre 'plano de paz' de Donald Trump
Arábia Saudita impede Irã de participar de reunião sobre ‘plano de paz’ de Donald Trump

– O Governo saudita (…) violou os compromissos definidos enquanto governo anfitrião desta organização internacional, bem como os princípios básicos estipulados no modus operandi destas organizações, tais como a necessidade de garantir uma participação livre e sem restrições dos seus Estados membros em todas as atividades da organização, ao recusar vistos à delegação da República Islâmica do Irã encabeçada pelo vice-ministro das Relações Exteriores Hossein Jaberi Ansavi até os últimos momentos da reunião – informou em comunicado o porta-voz do ministério iraniano, Seyyed Abbas Mousavi.

Ele acrescentou que Irã vai apresentar uma nota de protesto ao secretariado da OCI e distribuir o conteúdo da mesma entre os Estados-membros. De acordo com o diplomata, as ações da Arábia Saudita constituem um forte entrave ao trabalho da organização, escreve portal The Iranian.

EUA

Anteriormente, o presidente dos EUA, Donald Trump divulgou o seu plano de paz para os palestinos e israelenses, documento que inclui condições inaceitáveis para o povo palestino.

Entre os pontos do plano está a proposta de quase 90% dos assentamentos israelenses em terras palestinas passarem a pertencer a Israel. Além disso, Jerusalém se tornaria a capital única e indivisível de Israel.

Donald Trump prometeu US$ 50 bilhões para viabilizar o futuro Estado palestino, que seriam disponibilizados por doadores árabes, além de um futuro acordo de livre comércio entre a Palestina e os EUA.

Por sua vez o presidente iraniano Hassan Rouhani descreveu a recém-anunciada iniciativa de paz como o “plano mais desprezível do século”.