Para Araújo, “ditadura climática” é usada para atacar Brasil

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 12 de setembro de 2019 as 14:46, por: CdB

Segundo o ministro, o “sistema” internacional virou as armas contra Bolsonaro e Trump porque eles se afastaram do globalismo.

Por Redação, com Reuters – de Brasília

Ainda em meio à crise internacional causada pelo desmatamento e as queimadas na Amazônia, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo afirmou não acreditar em aquecimento global, que o Brasil não está queimando a Amazônia e que foi criada uma “ditadura climática” que impede o debate.

Para Araújo, o “sistema” internacional virou as armas contra Bolsonaro e Trump porque eles se afastaram do globalismo

Ao proferir uma palestra de mais de 40 minutos na Fundação Heritage, um centro de estudos conservador, em Washington, Araújo afirmou que o Brasil virou um país a quem é “permitido odiar”, como os Estados Unidos, porque ambos os presidentes, Jair Bolsonaro e Donald Trump, se afastaram do “globalismo”.

– O globalismo tem hoje três instrumentos. Um é a ideologia das mudanças climáticas, outra é a ideologia de gênero e a terceira, a oikofobia, o ódio a sua própria nação – disse o ministro.

– O ponto principal da ditadura do clima, do climatismo, é o fim do debate político normal – completou.

Nas últimas semanas, o Brasil voltou às manchetes internacionais pelo forte aumento das queimadas na Amazônia, relacionadas ao aumento do desmatamento, já registrado em números iniciais do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). As imagens da floresta em chamas correram o mundo e causaram protestos de líderes mundiais e ameaças de boicote a produtos brasileiros.

Araújo, no entanto, nega que haja aumento do desmatamento e diz que as queimadas estão na média. Além disso, disse, o desmatamento mundial é responsável por apenas 11% das emissões de CO2 no mundo —que seria o causador das mudanças climáticas, o que o ministro também não acredita— e o desmatamento no Brasil, apenas 2% dessa emissão.

– O Brasil não é culpado. Mas não importa. A palavra clima foi pronunciada e o debate foi silenciado – afirmou.

Segundo o ministro, o “sistema” internacional virou as armas contra Bolsonaro e Trump porque eles se afastaram do globalismo.

– Os EUA estão fora do pacto globalista, o Brasil está fora do pacto globalista, então eles vêm atrás de nós para nos levar de volta – defendeu.

– O maior desafio que enfrentamos hoje, algumas pessoas irão dizer que é as mudanças climáticas. Isso absolutamente não é verdade. O maior desafio é a ideologia – disse.

Uma das críticas internacionais e —mesmo internas, vindas de setores como o agronegócio— ao governo brasileiro foi a resposta inicial aos dados de desmatamento e de queimadas, como uma tentativa de desacreditar o Inpe e um ataque do presidente Jair Bolsonaro a ONGs internacionais, a quem acusou de estarem colocando fogo na Amazônia para atacá-lo por ter cortado recursos repassados a essas instituições.

Com a reação de empresários brasileiros, o governo reagiu e enviou militares para ajudar a combater os focos de incêndio. Ainda assim, não há uma política de longo prazo estabelecida para fiscalizar e evitar novas crises ambientais.

Na próxima semana, Salles e Bolsonaro —se for autorizado a viajar— participarão dos encontros da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York, que terão o Meio Ambiente como um de seus temas centrais. Bolsonaro já afirmou que irá “até de maca” à ONU para defender a “soberania brasileira na Amazônia”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *