Armênia acusa Azerbaijão de atacar hospital em Nagorno-Karabakh

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 14 de outubro de 2020 as 13:42, por: CdB

Os confrontos eclodiram em Nagorno-Karabakh em 27 de setembro passado, tendo já deixado centenas de mortos e feridos. A Rússia, França e Estados Unidos estão entre os países que pediram o fim imediato das hostilidades na região disputada.

Por Redação, com Sputnik – de Erevan/Beirute

O Ministério da Defesa da Armênia acusou o Exército do Azerbaijão de atacar um hospital a nordeste da linha de contato em Nagorno-Karabakh.

Erevan acusa Azerbaijão de atacar hospital em Nagorno-Karabakh
Erevan acusa Azerbaijão de atacar hospital em Nagorno-Karabakh

– O inimigo, que segue violando o cessar-fogo, desta vez atacou um dos hospitais localizados a nordeste da linha de contato, onde também civis estão sendo tratados – informou a porta-voz do Ministério da Defesa da Armênia, Shushan Stepanyan.

Segundo ela, esta é uma clara violação do cessar-fogo pelo Azerbaijão, bem como das leis que proíbem atacar hospitais e locais onde os feridos são abrigados.

– Isto já é um crime de guerra evidente, cuja responsabilidade cabe diretamente à direção político-militar do Azerbaijão – enfatizou.

Os confrontos eclodiram em Nagorno-Karabakh em 27 de setembro passado, tendo já deixado centenas de mortos e feridos. A Rússia, França e Estados Unidos estão entre os países que pediram o fim imediato das hostilidades na região disputada.

Negociações

Em 9 de outubro, após 10 horas de negociações em Moscou, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, anunciou que a Armênia e o Azerbaijão concordaram com um cessar-fogo em Nagorno-Karabakh a partir de 10 de outubro para trocar prisioneiros e corpos dos mortos.

A linha de contato divide as forças armênias (o Exército de Defesa de Nagorno-Karabakh) e as Forças Armadas do Azerbaijão no conflito de Nagorno-Karabakh. Ela foi formada após o cessar-fogo de maio de 1994, que terminou com a guerra de 1988-94 entre os dois países. O comprimento da linha de contato é de 180-200 quilômetros.

Militantes sírios

Turquia enviou centenas de militantes sírios para Nagorno-Karabakh, segundo revelam fontes do The Wall Street Journal.

Ancara também organizou exercícios militares no Azerbaijão e forneceu drones de ataque a Baku, aponta edição. Centenas de militantes sírios ligados à Turquia foram enviados à região de Nagorno-Karabakh.

“Centenas de militantes sírios aliados à Turquia se juntaram ao conflito entre o Azerbaijão e a Armênia por causa da região de Nagorno-Karabakh, e outros tantos estão sendo preparados para ser enviados”, informaram ao jornal duas fontes relacionadas à transferência de militantes.

De acordo com um dos interlocutores do WSJ, grupos de 100 militantes têm sido transferidos à região conflituosa. Outro sírio associado aos rebeldes confirmou que centenas de pessoas foram para a região, no entanto “dezenas já voltaram, alarmados [com] combates violentos”.

Segundo relata um dos militantes, os mercenários recebem até US$ 2 mil por mês (cerca de R$ 11.085). Outro disse que “as baixas entre os combatentes sírios aumentam rapidamente” e “cerca de 200 (sírios) pediram para ser retirados”.

Representantes do governo da Turquia revelaram ao jornal que Ancara organizou exercícios militares de duas semanas e “forneceu drones de ataque a autoridades do Azerbaijão”.

Nagorno-Karabakh se encontra mergulhada em um intenso conflito desde o final do mês passado, com Armênia e Azerbaijão trocando acusações da responsabilidade pela nova escalada de violência na região, alvo de disputas desde que a república autônoma decidiu se separar da então República Socialista Soviética do Azerbaijão, há 32 anos.