As ruas despertaram e o seu ardor nos aquece

Arquivado em: Arquivo CDB, Boletim, Destaque do Dia, Direto da Redação, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 4 de junho de 2020 as 16:05, por: CdB
A força da consciência social posta em ação é imensamente maior do que a força das armas que venham a se lhe opor.
Danton Rosado, de São Paulo:
Já há esperança no Brasil

A consciência social, quando adquirida, é indestrutível porque emanada de um saber consistente e duradouro, capaz de demolir quaisquer obstáculos que se lhe oponham, principalmente aqueles decorrentes da opressão sistêmica.

A força das armas, por mais forte que pareça, é sempre passível de desintegração temporal graças à inconsistência moral dos seus argumentos, e sempre superável por uma força maior de igual natureza que se lhe venha a opor.
O levante social que estamos vendo nos Estados Unidos é algo sem precedentes na história daquela nação.
Trata-se do levante de uma população que assistiu, estarrecida, as imagens do covarde assassinato de um homem negro indefeso por um policial supremacista racial. A cena chocante foi como uma faísca em matagal seco: provocou um incêndio em todo o país, trazendo à superfície a indignação consciente e predominantemente pacífica de um sonoro basta!
Isto ocorreu no país com maior renda per capita do mundo, demonstrando quão injusta é a distribuição da riqueza abstrata por lá existente, além de evidenciar a existência de outras formas de opressão inerentes ao comando segregacionista de um ordem político-econômica fundada em pressupostos moralmente equivocados e reprováveis.

Que podemos dizer, então, dos países da periferia empobrecida dos EUA?

Vejamos alguns dados sobre o Brasil, que outrora era chamado de quintal dos americanos e ainda o continua sendo, com a diferença de que hoje não é de bom tom chamar as coisas pelo nome:

— mantém à frente da Fundação Palmares, criada para promover a justa integração social-racial, o sr. Sérgio Camargo, um afrodescendente que qualifica seus irmãos de etnia de uma escória miserável (ele não ocupa tal cargo a despeito de ser um negro racista, mas justamente por sê-lo, numa inversão de valores que é característica do bolsonarismo);
— tem índices econômicos preocupantes, como a previsão de queda de 10% no PIB em 2020;
— registrou retração de 18,8% em sua produção industrial no 1º trimestre, prevendo-se queda maior ainda no segundo trimestre;
— ultrapassou, em pouco mais de dois meses, a marca de 30 mil pacientes mortos pela Covid-19, estando agora com mais de mil óbitos/dia, o que não o impede de demitir médicos e colocar no comando do Ministério da Saúde um militar sem afinidade nenhuma com tal incumbência;
— está entregue ao desgoverno de um presidente que, embora eleito pelo sistema democrático burguês, a cada momento o violenta no afã de garantir a impunidade de filhos e ministros transgressores, além de chantagear o STF e o Congresso Nacional com ameaças de ruptura institucional;

— incensa, pela voz desse mesmo presidente, manifestações populares golpistas (cada vez menos numerosas) que infringem impunemente várias disposições legais;
— vê parte de sua população sentir-se aliviada com um mísero auxílio emergencial de R$ 600/mês, expondo cruelmente o quão empobrecida ela se encontra, com cerca de 17 milhões de desempregados;

— está no limite de uma convulsão social.
O capitalismo perdeu a capacidade de se manter minimamente viável; é isto que estão a demonstrar as manifestações de Nova York a Paris.
Ao buscar acesso às oportunidades de crescimento pessoal e coletivo, a juventude encontra as portas fechadas em razão do desemprego estrutural a da falência do Estado (o qual é incapaz de prover as demandas sociais e guarda os seus reduzidos recursos para a manutenção de força militar cada vez mais numerosa.
Em tal contexto, os jovens integrantes das populações segregadas são particularmente atingidos, daí estarem em pé de guerra contra a discriminação racial e outras causas de insatisfação inerentes a um contrato social saturado; este clama para que as atividades produtivas nos vários campos da vida social sejam adequadas ao imenso saber tecnológico adquirido pela humanidade.
O quadro geral é dos mais eloquentes:
— nas cidades de norte a sul dos Estados Unidos ocorrem manifestações com palavras de ordem como “eu não consigo respirar” (a queixa desesperada mas ignorada de George Floyd enquanto era sufocado por um psicopata fardado) e “a vida dos negros importa”;
— o mesmo ocorre nas ruas de Paris, tendo as frases idêntico conteúdo;

— no Brasil as torcidas organizados do futebol assumem a luta por uma verdadeira democracia, tomando o lugar de partidos, sindicatos e entidades estudantis que têm se mantido apáticos desde a virada do ano;
— em Hong Kong a população se levanta contra o autoritarismo governamental chinês;

— as populações da África, da América Central e da Ásia enfrentam a morte nas estradas e mares para chegarem às idealizadas ilhas de prosperidade do capitalismo (os países economicamente dominantes), sendo recebidas com cercas de arame, muros e policiais para prendê-los e confiná-los em acampamentos precários e prisões, etc.

De tudo isso podemos inferir que há algo de profundamente desequilibrado na atual forma (instituições políticas e militares) e conteúdo (modo de produção) das relações sociais mundiais (one world) existentes,  que são basicamente idênticas na base, com diferenciações cosméticas quanto aos conteúdos políticos (mais tolerante ou ditatorial, conforme o caso).

Políticos insensíveis à nova realidade, como Donald destrumpelhado e Boçalnaro, o ignaro, eleitos em função do anseio inconsciente de seus votantes por uma volta ao passado (que verdadeiramente não era bom, mas, ainda assim, melhor do que o presente), logo se desmascaram como mercadores de ilusões irrealizáveis.

Nesse sentido, contribuem, sem o desejarem, para a conscientização popular de que o caminho a ser trilhado não é a volta ao passado conhecido, mas o avanço para um futuro verdadeiramente melhor.

Um futuro assentado em bases de sociabilidades humanistas que possam apropriar-se das conquistas sociais e científicas da humanidade e inseri-las no novo contexto gerado pela ruptura com o padrão escravista que nos tortura há milênios.

Vejo com incontida emoção o levante popular contra o sistema decadente.

Vejo como agradável surpresa os policiais a se ajoelharem perante manifestantes nos EUA, como que a dizerem “me perdoem pela minha farda opressora, por vocês sustentada, pois sou um de vocês e vítima da opressão sistêmica tanto quanto.

Vejo com a alma lavada os torcedores de futebol, sem nenhum engajamento político-partidário e sem bandeiras ultrapassadas, unindo-se espontaneamente e gritando em uníssono “Doutor, eu não me engano, o Bolsonaro é miliciano”.
Vejo com euforia a quebra do silêncio nas ruas pelos grupamentos que não se iludem com a ostentação patriótica oportunista (até porque nossa pátria é boa para alguns e péssima para a grande maioria!).
Sempre torci pelo Botafogo, mas de repente passei a gritar Vai, Corinthians!!!. (Dalton Rosado)
Dalton Rosado, colunista do blog Náufrago da Utopia.
Direto da Redação é um fórum de debates, editado pelo jornalista Rui Martins.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *