Assessor de Ciro defende aliança com DEM em ‘arranjo ideológico’

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado domingo, 1 de julho de 2018 as 15:49, por: CdB

Mangabeira Unger disse que o DEM deve ser visto como um parceiro prioritário na eleição presidencial.

 

Por Redação – de São Paulo

 

Secretário de Assuntos Estratégicos nos governos da presidenta deposta Dilma Rousseff (PT) e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o qual considera “o mais corrupto de nossa história nacional”, o filósofo Mangabeira Unger é hoje um dos principais oráculos do ex-governador Ciro Gomes (PDT), pré-candidato do PDT à Presidência da República. Partiu dele, neste domingo, o apoio para uma eventual aliança entre o partido fundado por Leonel de Moura Brizola e o Democratas, que abriga a ultradireita nacional.

Contradição

Mangabeira Unger, um dos oráculos de Ciro Gomes, defende aliança com a extrema direita
Mangabeira Unger, um dos oráculos de Ciro Gomes, defende aliança com a extrema direita

Segundo Unger, seria possível um arranjo ideológico com um dos partidos mais icônicos do golpe de Estado, em curso no país. Democratas é novo nome do antigo Partido da Frente Liberal (PFL).

Mangabeira, mais uma vez, conversou com jornalistas de um dos diários conservadores paulistanos e disse que o DEM deve ser visto como um parceiro prioritário na eleição presidencial.

— Não vejo o Democratas como direita ou centro-direita. Eles são o partido dos empreendedores regionais. Têm raízes nessa estrutura produtiva descentralizada do país. (…) Não considero que uma aliança com o Democratas seja apenas um oportunismo tático. Vejo consistência em manter uma candidatura que tem esses dois lados, que não estão em contradição. Não podemos nos permitir abusar do sectarismo ideológico — afirmou Unger.

À direita

Para o ex-ministro, o PSDB estaria mais à direita do que o DEM no arco ideológico, ao defender uma aliança com o partido de Rodrigo Maia, ACM Neto, Agripino Maia, Mendonça Filho e outros articuladores do golpe parlamentar de 2016.

— O PSDB, que muitas vezes é visto como um partido à esquerda do Democratas, me parece estar à direita do DEM. Está comprometido com o receituário tradicional do chamado Consenso de Washington. Com uma política social meramente compensatória e um colonialismo mental e cosmopolita. Isso que é direita — concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *