Ataque de jihadistas em hotel deixa mortos na Somália

Arquivado em: África, Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 11 de dezembro de 2019 as 10:22, por: CdB

Ataque com armas de fogo e granadas na capital Mogadíscio é reivindicado pelo grupo terrorista Al Shabaab. Forças de segurança entraram em confronto com os criminosos.

Por Redação, com DW – de Mogadíscio

Um atentado terrorista ocorrido entre a noite desta terça e a madrugada desta quarta-feira deixou pelo menos 11 mortos num hotel em Mogadíscio, capital da Somália. O grupo terrorista islâmico Al Shabaab, filiado à Al Qaeda, reivindicou a autoria do ataque.

Hotel era palco de encontro entre políticos e líderes comunitários no momento do ataque
Hotel era palco de encontro entre políticos e líderes comunitários no momento do ataque

Destino popular de membros do governo e de militares locais, o prédio fica próximo ao palácio presidencial e estava sediando um encontro entre políticos e líderes comunitários no momento do ataque.

Segundo testemunhas, os extremistas se aproximaram do Hotel Syl vestindo roupas de forças de segurança e, sem serem notados, invadiram o local por meio de uma entrada de segurança.

Armas de fogo

Os terroristas usaram armas de fogo e também granadas no ataque. As forças de segurança responderam, e o confronto teria durado cerca de uma hora. Além de cinco extremistas, morreram dois membros das forças de segurança, dois guardas do hotel e dois civis. Mais de 80 pessoas, incluindo membros do governo somali, foram resgatadas do hotel.

Durante a ação, membros do grupo terrorista se manifestaram na internet dizendo que realizavam uma operação “conforme planejado”.

Não é a primeira vez que o Al Shabaab ataca o Hotel Syl. Em agosto de 2016, a explosão de um carro-bomba matou 15 pessoas. Em fevereiro do mesmo ano, outro ataque deixou 14 mortos.

Fundado em 2004, o grupo terrorista foi expulso de Mogadíscio em agosto de 2011 por tropas da União Africana (UA). No entanto, ainda controla grandes áreas rurais do país e realiza de tempos em tempos ataques na capital. O grupo Al Shabaab declarou lealdade à Al Qaeda em 2012.