Ataques aéreos matam crianças que viajavam de ônibus no Iêmen

Arquivado em: Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 9 de agosto de 2018 as 10:53, por: CdB

Riad e aliados muçulmanos sunitas estão lutando há mais de três anos no Iêmen contra os houthis, que controlam grande parte do país

Por Redação, com Reuters – de Áden

Ataques aéreos da coalizão liderada pela Arábia Saudita realizados nesta quinta-feira mataram dezenas de pessoas, inclusive crianças que viajavam em um ônibus, na província iemenita de Saada, relataram fontes médicas do Iêmen e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).

Médica trata crianças feridas por ataque aéreo em Saada, no Iêmen

A aliança apoiada pelo Ocidente, que combate o grupo houthi alinhado ao Irã no Iêmen, disse que os ataques aéreos visaram lançadores de mísseis usados para alvejar Jizan, cidade industrial do sul da Arábia Saudita, e mataram um civil iemenita nessa localidade, disse um comunicado publicado pela agência estatal de notícias SPA.

O comunicado acusou os houthis de usarem crianças como escudos humanos.

– O ataque desta quinta-feira em Saada foi uma operação militar legítima… e foi realizado de acordo com a lei humanitária internacional – afirmou o texto em árabe.

O CICV

O CICV disse que um ataque atingiu o ônibus que levava crianças a um mercado de Dahyan, no norte de Saada, acrescentando que hospitais locais receberam dezenas de mortos e feridos.

Não ficou claro quantas crianças morreram e quantos bombardeios foram realizados na área do norte do Iêmen próxima da fronteira com a Arábia Saudita.

Abdul-Ghani Nayeb, chefe do departamento de saúde de Saada, disse à agência inglesa de notícias Reuters que o saldo de mortes subiu para 43 e que há 61 feridos.

– Dezenas mortos, ainda mais feridos, a maioria de menos de 10 anos – disse Johannes Bruwer, chefe da delegação do CICV no Iêmen, em um tuíte.

Riad e aliados muçulmanos sunitas estão lutando há mais de três anos no Iêmen contra os houthis, que controlam grande parte do país, incluindo a capital Sanaa, e forçaram o governo a se exilar em 2014.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *