Ataques deixam mortos e feridos no sul da Tailândia

Arquivado em: Ásia, Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 6 de novembro de 2019 as 10:10, por: CdB

Guardas voluntários teriam sido alvo de insurgentes muçulmanos. Incidente é tido como o mais grave assalto a forças de segurança desde 2004, quando teve início rebelião separatista que já matou mais de 7 mil pessoas.

Por Redação, com DW – de Bangcoc

Pelo menos 15 pessoas morreram e cinco ficaram feridas em ataques coordenados no sul da Tailândia, atribuídos a insurgentes muçulmanos, segundo informações divulgadas nesta quarta-feira pelas autoridades do país.

Membros de esquadrão antibombas examinam área de ataques na Tailândia
Membros de esquadrão antibombas examinam área de ataques na Tailândia

O incidente é considerado o mais grave assalto a forças de segurança desde o início da rebelião separatista que abala a região, há 15 anos, e que já provocou a morte de mais de sete mil pessoas.

Rebeldes armados assaltaram na noite de terça-feira ao menos dois postos de segurança na província de Yala, matando e ferindo membros voluntários da segurança local. Quatro dos mortos eram mulheres, e um era médico.

Bombas e pregos foram distribuídos pelos criminosos em estradas próximas para dificultar a chegada de veículos com reforços à área.

Como é frequente nos ataques no sul da Tailândia, nenhum dos grupos rebeldes que operam na região reivindicou os ataques. Na maioria das vezes, os alvos escolhidos são forças de segurança governamentais.

O primeiro-ministro da Tailândia, Prayuth Chan-ocha, afirmou que o ataque é um indício de que os insurgentes estão mudando seu foco, de soldados e policiais, para alvejar voluntários, que portam armas mais leves. Ele afirmou que o governo terá que mudar sua estratégia para proteger melhor essas pessoas.

Os membros das forças voluntárias do sul da Tailândia são recrutados das aldeias e recebem treinamento e armas do Exército, mas não possuem salário. Geralmente, eles recebem espingardas, mas também carregam armas pessoais, e apenas fazem a segurança de seus próprios povoados, sem buscarem o confronto com os rebeldes.

Emergência

Os ataques com armas brancas, assassinatos e atentados com explosivos são frequentes nas províncias de Pattani, Yala e Narathiwat, no sul da Tailândia, apesar dos cerca de 40 mil membros das forças de segurança presentes na área e do estado de emergência atualmente em vigor.

Mais de sete mil pessoas morreram em confrontos na região desde que o movimento separatista muçulmano retomou a luta armada em 2004, após uma década de paz, segundo a organização Deep South Watch.

Os insurgentes, muçulmanos e de origem malaia, dizem ser alvo de discriminação por parte do governo central e exigem uma maior autonomia e até a criação de um Estado islâmico que integre as três províncias que formavam o antigo sultanato de Patani, anexado pela Tailândia séculos atrás.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *