Atividade industrial chinesa inicia recuperação após derrotar o coronavírus

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 31 de março de 2020 as 15:18, por: CdB

O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) oficial da China subiu para 52 em março ante a mínima recorde de 35,7 em fevereiro, informou nesta terça-feira a Agência Nacional de Estatísticas, acima da marca de 50 que separa crescimento de contração.

Por Redação, com agências internacionais – de Pequim

A atividade industrial da China expandiu inesperadamente em março após um colapso no mês anterior, mas analistas alertam que uma recuperação durável no curto prazo está longe de ser garantida já que a crise do coronavírus afeta a demanda externa e ameaça a economia.

Zhao Lijian, porta-voz do Ministério do Exterior chinês, ao anunciar a decisão de expulsar três jornalistas em fevereiro
Zhao Lijian, porta-voz do Ministério do Exterior chinês, fala sobre a recuperação da economia

O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) oficial da China subiu para 52 em março ante a mínima recorde de 35,7 em fevereiro, informou nesta terça-feira a Agência Nacional de Estatísticas, acima da marca de 50 que separa crescimento de contração.

Analistas consultados pela agência inglesa de notícias Reuters esperavam uma leitura de 45,0 em março.

Contenção

A agência atribuiu a recuperação inesperada no PMI à base de comparação muito baixa em fevereiro e alertou que a leitura não sinaliza uma estabilização da atividade econômica.

Essa visão foi ecoada por muitos analistas, que alertam para mais um período de dificuldades para as empresas e a economia da China devido à disseminação do vírus em todo o mundo e às medidas de contenção que estão sendo adotadas.

“Isso não significa que a produção está agora de volta à sua tendência anterior ao vírus, apenas sugere que a atividade econômica melhorou modestamente em relação à fraca leitura de fevereiro, mas permanece bem abaixo dos níveis anteriores ao vírus”, resumiu Julian Evans-Pritchard, economista sênior da Capital Economics, em nota a clientes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *