‘Ato terrorista dos EUA’ contra Venezuela deixa saldo de 13 mortos

Arquivado em: América Latina, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sábado, 9 de março de 2019 as 17:26, por: CdB

Para o presidente cubano, o incidente na usina hidrelétrica venezuelana de Guri, que resultou em um grande apagão no país, foi um “atentado terrorista” contra o povo da Venezuela.

 

Por Redação, com agências internacionais – de Caracas e Havana

Denunciado neste sábado como um “ato terrorista cometido pelos Estados Unidos”, em mensagem do presidente cubano Miguel Díaz-Canel Bermúdez, o apagão causado por um ataque às centrais elétricas venezuelanas causou a morte de ao menos 13 pacientes em um hospital do estado de Monagas, no nordeste do país.

Paciente aguarda que a eletricidade volte ao hospital, para receber atendimento médico
Paciente aguarda que a eletricidade volte ao hospital, para receber atendimento médico

A denúncia foi feita no Twitter pelo médico Julio Castro, que trabalha na unidade de saúde. Segundo afirmou, o Hospital Manuel Núñez Tovar, em Maturín, capital do Estado, está “sem luz e sem gerador elétrico”, o que já provocou o falecimento de nove pessoas internadas no setor de emergência, duas no departamento de obstetrícia, uma na ala de tratamento de traumatismos e uma na UTI neonatal.

Para o presidente cubano, o incidente na usina hidrelétrica venezuelana de Guri, que resultou em um grande apagão no país, foi um “atentado terrorista” contra o povo da Venezuela. O apagão afetou toda a Venezuela na quinta-feira. O fornecedor nacional de eletricidade, Corpoelec, denunciou sobre uma suposta “sabotagem” na usina de Guri causando falta de energia em 21 dos 23 Estados da Venezuela.

Ataque cibernético

A eletricidade está sendo reestabelecida gradualmente.

“A sabotagem de energia elétrica na Venezuela é um ataque terrorista sujo que visa minar a resistência do povo venezuelano e encorajar a intervenção militar”, afirmou Diaz-Canel no Twitter.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, também culpou os Estados Unidos, que apoiam a oposição na atual crise venezuelana, por travar uma guerra de energia elétrica contra a Venezuela. No entanto, Washington negou ter papel no colapso do sistema elétrico.

O ministro venezuelano de Comunicação e Informação, Jorge Rodriguez, sugeriu que os Estados Unidos realizaram um ataque cibernético ao sistema de controle automático da usina. Ele também anunciou que a Venezuela apresentaria em breve uma queixa sobre o assunto à Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *