A aurora nasce intranquila na Venezuela

Arquivado em: Destaque do Dia, Opinião, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 2 de maio de 2019 as 09:57, por: CdB

País é o centro da resistência a uma ofensiva brutal dos neocolonizadores da América Latina.

Por  Osvaldo Bertolino – de São Paulo

Na quarta-feira, o mundo amanheceu apreensivo. O Dia Internacional dos Trabalhadores terve manifestações gigantes em todo o planeta, mas as atenções estavam voltadas para a Venezuela. No país em que se firmou a verdade política de que a América Latina não pode ser quintal dos parasitas do mundo financeiro, haverá atos a favor e contra o governo de Nicolás Maduro, democraticamente eleito.

No país em que se firmou a verdade política de que a América Latina não pode ser quintal dos parasitas do mundo financeiro

A defesa da soberania e da democracia na Venezuela é uma causa de toda a América Latina. A região desfrutou pouco dos benefícios trazidos pelos ventos democratizantes que varreram o mundo após a Segunda Guerra Mundial. Depois dos golpes sanguinários iniciados na décda de 1950, derrotados democraticamente, veio o avanço da onda direitista, no leito da retomada das velhas teses liberais, agora chamadas de neoliberais.

Depois dos governos neoliberais de Margaret Thatcher na Inglaterra e Ronald Reagan nos Estados Unidos, essa ofensiva ganhou um tom mais belicoso com George W, Bush e sua Aérea de Livre Comércio das Américas (Alca). Com as rédeas do império nas mãos, ele passou a agir perante o mundo como um autêntico pistoleiro do Texas, um Jesse James do neoliberalismo.

Mas, em resposta à catástrofe política, moral e econômica dessa receita, a região experimentou as benesses de um ciclo democrático e progressista, do qual a Venezuela é atualmente um centro resistente, golpeado pela nova ofensiva do regime de Washington, agora comandado por Donald Trump.

Guerra social

Sem moral para defender suas teses, o neoliberalismo apela para a guerra midiática, como sempre impondo um ponto de vista sobre democracia sem nenhuma correspondência com a prática. Esse modelo político e econômico arrebentou com a produção, fez explodir a dívida pública, pôs metade do continente no desemprego e comprometeu sua capacidade de crescer.

É importante lembrar que na Venezuela, para interromper a “revolução bolivariana”, em 2002 os sequestradores do então presidente Hugo Chávez invocaram absurdos como questões de classe social e cor da pele. Não sem explicação os sucessivos candidatos a “restaurar a democracia” no país, que desaparecem na mesma velocidade com que aparecem, são representantes das altas fortunas. Um deles, o jovem empresário fascistóide Carlos Fernandez, disse: “Se o presidente (Chávez) não retificar sua atitude de guerra social, a fratura da sociedade irá crescer.”

    Osvaldo Bertolino, é jornalista.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *