Austrália: incêndios forçam retirada de milhares de pessoas

Arquivado em: Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 30 de dezembro de 2019 as 10:29, por: CdB

O incidente elevou para nove o saldo de mortes dos incêndios florestais do país e aumentou a pressão para que as autoridades repensem os planos de comemoração de Ano Novo na cidade de Sydney.

Por Redação, com Reuters – de Sydney

Um bombeiro voluntário morreu combatendo os incêndios florestais da Austrália nesta segunda-feira, quando “colunas” de chamas que geraram perigosos sistemas climáticos próprios se abateram sobre uma região turística, provocando a retirada de dezenas de milhares de pessoas.

Helicóptero sobrevoa árvore em chamas em Melbourne
Helicóptero sobrevoa árvore em chamas em Melbourne

Acredita-se que o bombeiro enfrentava um incêndio cerca de 70 quilômetros a leste de Albury, em Nova Gales do Sul, quando seu veículo rolou por ter sido atingido por ventos intensos, disseram autoridades no Twitter.

O incidente elevou para nove o saldo de mortes dos incêndios florestais do país e aumentou a pressão para que as autoridades repensem os planos de comemoração de Ano Novo na cidade de Sydney.

Cerca de 100 incêndios estão ardendo em toda a Austrália, e há ao menos 14 alertas de “emergência” no Estado de Vitória. O fogo também ameaça casas e infraestrutura na Austrália do Sul e na Tasmânia.

Dezenas de milhares de pessoas foram retiradas quando “colunas de fogo” alimentadas pelo calor extremo e os ventos fortes atingiram a região turística popular de Gippsland Oriental de Vitória, no sudeste do país.

Incêndios florestais

Incêndios florestais que estão assolando o litoral leste australiano há semanas voltaram a alcançar níveis perigosos em Gippsland Oriental, uma área que inclui dois parques nacionais, lagos e planícies costeiras.

No final da tarde local, autoridades alertaram os turistas a manterem distância das estradas por causa da fumaça espessa e dos incêndios, que são imprevisíveis e se movem rapidamente, acrescentando que agora é tarde demais para as pessoas que não deixaram a região fazê-lo.

“Partir agora seria fatal”, disseram.