Áustria anuncia imposto sobre negócios dos gigantes da Internet

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Redes Sociais, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 31 de dezembro de 2018 as 10:16, por: CdB

No início de dezembro, os ministros de Economia da UE não conseguiram alcançar um acordo sobre uma taxa às grandes empresas digitais, que foi debatida durante meses no seio da UE.

Por Redação, com EFE – de Viena

O governo da Áustria introduzirá um imposto em nível nacional sobre as atividades de grandes consórcios internacionais de Internet como Facebook e Amazon, informou no sábado a imprensa local.

O governo da Áustria introduzirá um imposto em nível nacional sobre as atividades de grandes consórcios internacionais de Internet

Em entrevista ao jornal “Österreich” para sua edição de domingo, o chanceler federal, o conservador Sebastian Kurz, afirmou que “é preciso aproveitar as possibilidades da digitalização, ampliar as infraestruturas e, finalmente, impor impostos aos gigantes de Internet”.

– Além das medidas europeias, nós daremos passos em nível nacional. Introduziremos na Áustria um imposto digital – garantiu o chanceler, que presidiu a União Europeia (UE) este semestre e que passará o bastão à Romênia na próxima terça-feira.

Segundo o político, “seria mais que justo que os gigantes da Internet finalmente paguem impostos como devem. Isso porque os consórcios digitais pagam na Europa apenas 9% de impostos, enquanto a economia tradicional paga entre 20% e 25%”.

– Não pode ser que consórcios como Facebook e Amazon gerem grandes lucros na Áustria, mas praticamente não paguem impostos – concluiu o chanceler, que prometeu os detalhes do imposto para as próximas semanas.

No início de dezembro, os ministros de Economia da UE não conseguiram alcançar um acordo sobre uma taxa às grandes empresas digitais, que foi debatida durante meses no seio da UE, diante da resistência de países como Irlanda, Dinamarca e Suécia.

A Comissão Europeia tinha proposto um imposto temporário de 3% sobre o faturamento por certos serviços digitais das companhias de internet que faturem mais de 750 milhões de euros no mundo todo e mais de 50 milhões na UE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *