Autor de ataque em escola nos EUA morre após troca de tiros com agente

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 20 de março de 2018 as 14:57, por: CdB

O agente não ficou ferido, e os cerca de 1600 estudantes da escola pública foram escoltados por policiais para fora do campus, para encontrar com seus pais em outra escola

Por Redação, com Reuters – de Nova York:

Um estudante que disparou contra dois colegas em uma escola de ensino médio no Estado norte-americano de Maryland na manhã desta terça-feira morreu após troca de tiros com um agente de segurança do campus, disse o chefe de polícia local.

Um estudante que disparou contra dois colegas em uma escola de ensino médio no Estado norte-americano de Maryland na manhã desta terça-feira morreu após troca de tiros
 
O dia escolar mal havia começado quando o estudante, que não foi identificado; atirou contra um aluno e uma aluna na escola Great Mills High School no distrito de St. Mary; antes de o agente de segurança intervir, disse o chefe de polícia do distrito, Timothy Cameron, à afiliada da NBC em Washington.
As duas vítimas estão hospitalizadas em estado grave.
 

Estudantes

O agente não ficou ferido, e os cerca de 1,6 mil estudantes da escola pública foram escoltados por policiais para fora do campus, para encontrar com seus pais em outra escola.

A relação entre os estudantes e a motivação do agressor não ficou clara, disse Cameron.

– Você treina para reagir a isso e você espera que nunca, nunca precise”, disse. “Essa é a realização de seu pior pesadelo.

Guantánamo

Os Estados Unidos estão prestes a realizar a primeira transferência de um prisioneiro do centro de detenção da Baía de Guantánamo durante o governo do presidente Donald Trump; repatriando o detido para a Arábia Saudita; disseram militares dos EUA à agência inglesa de notícias Reuters.

A transferência de Ahmed Muhammed Haza al-Darbi, de 43 anos, pareceu ter sido interrompida em fevereiro; quando ele passou a ter direito de ser repatriado mas não foi, conforme permitido pelos termos de seu acordo de confissão de 2014.
 
À época os militares norte-americanos disseram estar esperando garantias do governo saudita para seguir adiante com sua libertação. Na segunda-feira o Pentágono deu a entender que o processo voltou a caminhar. A porta-voz Sarah Higgins, oficial da Marinha, disse que o Departamento de Defesa está “analisando informações recebidas da Arábia Saudita relativas à transferência de Al-Darbi”.
 

O processo

– O processo de transferência está indo em frente. Não tenho maiores informações sobre o cronograma da transferência – disse Sarah, sem dar detalhes.

A partida de Al-Darbi diminuiria a população de prisioneiros do centro de detenção de Guantánamo, em Cuba, de 41 para 40; apesar da promessa de campanha de Trump de “enchê-la de caras maus”.

A prisão, aberta pelo presidente republicano George W. Bush para abrigar suspeitos de terrorismo capturados no exterior após os ataques de 11 de setembro de 2001, passou a simbolizar as práticas de detenção brutais que expuseram os EUA a acusações de tortura.

Autoridades norte-americanas não descartaram aumentar a população prisional e reconheceram o problema de se repatriar combatentes do Estado Islâmico detidos por forças apoiadas por Washington na Síria, o que cria a possibilidade de a Baía de Guantánamo ser vista como uma opção viável no futuro.

A notícia do avanço no caso de Al-Darbi veio na esteira de uma visita do príncipe da coroa saudita Mohammed Bin Salman a Washington, sua primeira aos EUA como herdeiro aparente do trono.

Casa Branca

O príncipe deve se reunir com Trump na Casa Branca nesta terça-feira, e existe a expectativa de os dois países enfatizarem seus fortes vínculos na área de segurança durante a visita — embora tais laços sejam alvo de atenções cada vez maiores do Congresso.

Ramzi Kassem, professor de Direito da Universidade de Nova York e principal conselheiro da defesa de Al-Darbi desde 2008, disse à Reuters que a decisão do governo Trump de honrar o acordo de 2014 “enviará aos outros prisioneiros a mensagem de esperança de que é possível sair de Guantánamo”.

 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *