Autoridades da Venezuela cercam piloto de helicóptero foragido

Arquivado em: América Latina, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 15 de janeiro de 2018 as 14:29, por: CdB

Perez, um ex-piloto da polícia, é procurado por usar um helicóptero roubado para lançar granadas e atirar contra prédios do governo em junho

Por Redação, com Reuters – de Caracas/Lima:

Autoridades venezuelanas cercaram o auto-identificado piloto de helicóptero foragido Oscar Perez em uma casa em um bairro pobre nos arredores de Caracas nesta segunda-feira, e o militante anti-governo disse em vídeo que está negociando com autoridades.

Ex-piloto da polícia venezuelana Oscar Perez posa para fotos durante evento, em Caracas

Perez, um ex-piloto da polícia, é procurado por usar um helicóptero roubado para lançar granadas e atirar contra prédios do governo em junho; assim como por invadir uma unidade da Guarda Nacional em dezembro para roubar armas. O governo de esquerda do presidente Nicolás Maduro descreveu Perez como um “terrorista extremista fanático” e tentava localizá-lo há meses.

Finalmente parecia que as autoridades tinha conseguido encontrar Perez na região pobre de El Junquito.

– Eles atiraram contra nós, eles nos fizeram nos abaixar. Mas agora nós estamos negociando com as autoridades – disse Perez, aparentemente vestindo um colete a prova de balas, em um vídeo publicado no Instagram.

– Venezuela, não perca a esperança… Agora você possui o poder para que todos possamos ser livres – disse, olhando para câmera e dizendo para seus filhos que os ama e espera vê-los novamente.

O Ministério da Informação não respondeu imediatamente a um pedido de comentário. No entanto, alguns membros do governo Maduro zombaram de Perez na manhã desta segunda-feira.

– Que covarde agora que está preso como um rato! –  tuitou a ministra das Prisões, Iris Varela. “Onde está a coragem que tinha para atacar unidades militares, matar e ferir oficiais e roubar armas?”

Terremoto na costa peruana

Um forte terremoto atingiu a costa sul do Peru na manhã de domingo, deixando um morto; 17 desaparecidos e dezenas de feridos; além de causar o colapso de casas e estradas. O terremoto de magnitude 7.1 ocorreu às 4:18 (horário local) a profundidade de cerca de 36 quilômetros, informou o Serviço Geológico dos EUA (USGS). O epicentro estava no Oceano Pacífico a 40 quilômetros da cidade de Acari.

A governadora peruana do Estado de Arequipa, Yamila Osorio, afirmou no Twitter que um homem de 55 anos morreu na cidade de Yauca após ser atingido por uma pedra.

Jorge Chavez, chefe do Instituto de Defesa Civil do Peru (Indeci), disse à rádio local RPPA que um segundo morto fora encontrado na cidade de Bella Union. Outras 65 pessoas ficaram feridas, informou o Indeci no Twitter. Posteriormente, no entanto, a informação foi retificada e não confirmou a morte registrada.

Área instável

Diversas municipalidades estavam sem eletricidade, e muitas estradas e casas foram destruídas, disse Yamila. Muitos residentes de Lomas foram evacuados após sentirem um tremor secundário, disse ela.

Terremotos são comuns no Peru, mas muitas casas são construídas com materiais precários, que não podem resistir aos tremores. Em 2007 um terremoto matou centenas na região de Ica.

Autoridades marítimas peruanas afirmaram que o terremoto não produziu um tsunami na costa peruana.

Chile

O Peru é o segundo maior produtor de cobre do mundo, mas muitas das minas no sul se encontram distantes da região costeira atingida pelo terremoto.
Um representante da Southern Copper afirmou que não havia relatos de danos nas minas Cuajone e Toquepala, nas áreas de Moguegua e Tacna.
Jesus Revilla, líder sindical da mina de cobre Cerro Verde em Arequipa, disse que as operações não haviam sido afetadas.

O terremoto também foi sentido ao norte do Chile, vizinho do Peru. Autoridades da Emergência Nacional do Chile disseram não haver relatos de feridos, danos à infraestrutura ou interrupção nos serviços básicos. A marinha chilena afirmou que o terremoto não chegou às condições que produziriam um tsunami em sua costa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *