Avaliação negativa do governo é a maior desde a posse, revela pesquisa

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 4 de maio de 2020 as 14:09, por: CdB

De acordo com a sondagem, aqueles que consideram a gestão Bolsonaro ruim ou péssima foram de 42% no levantamento de 24 de abril para 49% agora. O percentual dos que consideram o governo ótimo ou bom foi de 31% na sondagem anterior para 27%, e o dos que consideram a gestão regular se manteve em 24%.

Por Redação – de São Paulo

A avaliação ruim ou péssima do governo do presidente Jair Bolsonaro aumentou para 49% e atingiu o maior patamar já registrado em levantamento do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe) para a XP Investimentos. Os números constam da pesquisa divulgada nesta segunda-feira.

Bolsonaro não pediu desculpas ao povo brasileiro pela total falta de empatia com os mais de 5 mil mortos pela covid-19
Bolsonaro tem sido avaliado como um dos piores mandatários que já passaram pela democracia brasileira

De acordo com a sondagem, aqueles que consideram a gestão Bolsonaro ruim ou péssima foram de 42% no levantamento de 24 de abril para 49% agora. O percentual dos que consideram o governo ótimo ou bom foi de 31% na sondagem anterior para 27%, e o dos que consideram a gestão regular se manteve em 24%, ao passo que 1% não responderam, contra 3% na pesquisa anterior.

Lava Jato

A pesquisa, realizada de terça a quinta da semana passada, também apontou uma piora na expectativa para o restante do mandato de Bolsonaro, com 46% de ruim ou péssimo contra 38% no levantamento anterior. Os que acreditam que o restante da gestão será ótima ou boa são 30%, ante 35%, e os que apostam que será regular são 18%, ante 21%. O percentual dos que não responderam se manteve em 6%.

A pesquisa aponta ainda os impactos do pedido de demissão do comando do Ministério da Justiça feito por Sergio Moro, ex-juiz da Operação da Lava Jato e visto por muitos como um símbolo do combate à corrupção.

O percentual dos que acreditam que a corrupção terá aumentado ou aumentado muito nos próximos seis meses saltou de 30% em março para 45% agora. Ao mesmo tempo, a soma dos que acreditam que a corrupção terá diminuído ou diminuído muito neste período caiu de 27%, para 18%.

Impacto

A soma dos que acham que a corrupção ficará como está foi de 37% para 34% e os que não responderam eram 6% e agora somam 4%.

Ao anunciar seu pedido de demissão em um pronunciamento, Moro acusou Bolsonaro de buscar interferir politicamente na Polícia Federal e disse que o presidente quer colocar alguém de sua confiança no cargo, pois tem preocupações com inquéritos que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF) e quer ter acesso direto a informações como, por exemplo, relatórios de inteligência elaborados pela PF.

Ainda de acordo com a pesquisa XP/Ipespe, o percentual dos que avaliam que a saída de Moro do governo terá impacto negativo sobre o país se manteve em 67%, mesmo patamar da pesquisa de 24 de abril, ao passo que os que entendem que terá impacto positivo se manteve em 10%. Os que acham que não terá impacto somam 18% — ante 16% — e os que não responderam são 6% —contra 8% na pesquisa anterior.

Moro

Para 69% dos entrevistados, o novo ministro da Justiça, André Mendonça, terá uma atuação com interferência de Bolsonaro, enquanto 19% avaliam que terá atuação independente e 13% não responderam.

Além disso, a pesquisa mostrou que a opinião positiva dos entrevistados sobre Moro foi de 52% em 14 de abril para 58% neste levantamento, ao passo que a visão negativa sobre o ex-ministro foi de 21% para 18% no mesmo período.

Já no caso de Bolsonaro, a opinião positiva foi de 41% para 38% e a visão negativa de 34% para 40%, mostrou a pesquisa. O levantamento ouviu 1.000 pessoas entre terça e quinta-feira da semana passada e a margem de erro da pesquisa é de 3,2 pontos percentuais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *