Bancada do MDB na Câmara é alvo de denúncias do Ministério Público

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 22 de março de 2018 as 16:46, por: CdB

Além de ratificar a primeira denúncia; os procuradores acusaram outras cinco pessoas pelo crime de integrar organização criminosa, informou o MPF. Mas sem identificar os novos acusados.

 

15h35 – de Brasília

 

O Ministério Público Federal (MPF) ratificou nesta quinta-feira denúncia contra ex-integrantes da bancada do MDB na Câmara dos Deputados, que havia sido feita em setembro do ano passado pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Michel Temer garante que não será candidato a qualquer cargo, em 2018
Michel Temer, do MDB, apesar de denunciado no Supremo, agora diz que poderá ser candidato, em 2018

As investigações envolveram o presidente de facto, Michel Temer, e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Especial da Presidência); bem como os ex-deputados Eduardo Cunha, Geddel Vieira Lima, Henrique Eduardo Alves e Rodrigo Rocha Loures.

A parte das investigações envolvendo pessoas sem foro privilegiado foi enviada, em dezembro, para a primeira instância da Justiça Federal, em Brasília. E foi distribuída para o juiz Marcus Vinicius Reis Bastos; da 12ª Vara Federal.

Investigações

Além de ratificar a primeira denúncia; os procuradores acusaram outras cinco pessoas pelo crime de integrar organização criminosa, informou o MPF. Mas sem identificar os novos acusados. No aditamento à denúncia, os procuradores pediram também a retirada do sigilo do processo.

Por meio de nota, os procuradores disseram que “o aditamento se faz necessário porque a denúncia oferecida pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot tinha como foco apenas pessoas com prerrogativa de foro ou que tivessem relação direta com estas”.

“O aditamento traz novos e robustos elementos probatórios obtidos nas investigações conduzidas pela força-tarefa, a partir de documentos coletados na Operação Patmos, realizada em maio do ano passado”, acrescenta o texto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *