Bangu 4: presos vendem e consomem drogas dentro do presídio

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado domingo, 7 de dezembro de 2003 as 22:26, por: CdB

Os presos da penitenciária Bangu 4 fazem tráfico de drogas e usam telefones e radiotransmissores, com a conivência de um agente penitenciário. O “Fantástico”, da Rede Globo, revelou o dia-a-dia de detentos em imagens gravadas há 45 dias.

A reportagem mostra traficantes vendendo cigarros de maconha e sacolés de cocaína. Quando um agente penitenciário chega, o bandido tranqüiliza: “Tá arregado”. Um ex-detento não-identificado explica: “estar arregado quer dizer que o agente foi subornado. O que movimenta a cadeia é a droga e cada pavilhão tem a sua boca-de-fumo”.

O mesmo ex-detento revela a existência de uma tabela de preços. Um quilo de maconha custa R$ 400, 300 gramas de cocaína ,R$ 700, um garrafão de vinho sai por R$ 50, telefone celular custa entre R$ 70 e R$ 100, e uma visita íntima, R$ 30. “Os presos têm comida, mulheres, drogas, cachaça, sexo e vídeos pornográficos”, diz o ex-detento.

Há três meses, detentos foram flagrados com maconha no pátio de Vicente Piragibe, uma das 14 cadeias do complexo. O secretário de Administração Penitenciária, Astério Pereira dos Santos, responsabilizou administrações anteriores pela corrupção.

– É uma herança, muitos agentes foram formados em direções anteriores. Recebemos um legado do bom e do ruim na categoria – declarou.

Duas empresas de telefonia celular desligaram as antenas próximas ao Complexo de Bangu neste final de semana.