Berlusconi pode se beneficiar de lei de imunidade na Itália

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado quarta-feira, 4 de junho de 2003 as 23:15, por: CdB

O Senado da Itália aprovou uma nova legislação que estabelece a volta da imunidade judicial para os cinco principais mandatários políticos do país, entre eles, o primeiro-ministro e o presidente da República.

Caso a aprovação seja confirmada pela Câmara dos Deputados, a emenda constitucional vai paralisar o processo que o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, responde, em Milão.

O primeiro-ministro é acusado de ter subornado juízes para bloquear o processo de privatização envolvendo uma empresa concorrente.

Os pagamentos ilegais teriam sido feitos em 1985, antes de Berlusconi – um dos homens mais ricos da Itália – entrar para a política.

A nova legislação foi apresentada pelo próprio Berlusconi. Acredita-se que ela, gradualmente, concederá imunidade a todos os parlamentares da Itália.

A proposta, que também garante imunidade aos presidentes do Senado, da Câmara e do tribunal responsável por questões constitucionais ainda precisa passar pelo plenário da Câmara dos Deputados, onde Berlusconi conta com ampla maioria.

A votação no Senado foi condenada pelos partidos de oposição italianos.

A imunidade parlamentar foi suspensa na Itália há dez anos em meio a uma série de casos de corrupção entre políticos.

A Itália deve assumir a presidência rotativa da União Européia no próximo dia 1º de julho.

A aprovação da controversa nova legislação deve poupar a Itália de passar por constrangimentos internacionais, mas, por outro lado, expõe as discutíveis práticas políticas em vigor no país.