Bernie Sanders, o homem que causa insônia em Bolsonaro e Paulo Guedes

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 29 de janeiro de 2020 as 09:10, por: CdB

Sanders é o oposto de Trump em tudo, e é justamente por isso que está ganhando fôlego. É difícil imaginar um presidente dos Estados Unidos mais anti-Bolsonaro do que Sanders.

Por Thomas Traumann– de Brasília

As garantias do ministro Paulo Guedes e do presidente Jair Bolsonaro de um 2020 com crescimento sustentado por investimentos externos dependem do fracasso de um senhor de 78 anos, 1,83 m de altura e jeito de avô ranzinza. Pré-candidato pelo partido Democrata à Presidência dos Estados Unidos, o senador Bernie Sanders pode vir a ser o motivo de insônia de Guedes e Bolsonaro.

Sanders é o oposto de Trump em tudo, e é justamente por isso que está ganhando fôlego
Sanders é o oposto de Trump em tudo, e é justamente por isso que está ganhando fôlego

Com voz rouca e grave, Sanders discursa como um missionário. Ao falar, seja num comício, seja numa entrevista, encolhe o pescoço nos ombros como se carregasse um enorme peso nas costas, gesticula os braços longos para enfatizar seus pontos, cerra os punhos para demonstrar contrariedade e escala o tom de voz num crescendo ao se aproximar do ápice da sua pregação.

Sua retórica é populista. É impossível achar um discurso seu sem ataques aos mais ricos e à desigualdade social. Pré-candidato a presidente dos Estados Unidos pelo partido Democrata, Sanders se define como um “socialista”, posição política que algumas décadas atrás poderia levá-lo a ser fichado no FBI por antiamericanismo.

Velho demais, homem demais, branco demais, esquerdista demais, teimoso demais, Sanders foge a todos os figurinos do que seria considerado o candidato ideal do partido Democrata para enfrentar o presidente Donald Trump nas eleições de 3 de novembro. Mas os eleitores democratas parecem ter outra opinião. Sanders lidera as pesquisas nos dois estados onde ocorrem as primeiras primárias: Iowa e New Hampshire.

Três levantamentos nacionais o mostram em disputa feroz entre os eleitores democratas com ex-vice-presidente Joe Binden, que até agora liderava com folga. Na Fox, Biden vence no empate técnico, 26% a 23%. Na ABC, Biden tem 28% e Sanders, 24. Na CNN, Sanders lidera na margem de erro: 27% a 24%. Todas as pesquisas mostram que Sanders está em alta, ou, como diz o meme da campanha, feel the Bern (alusão a “feel the burn”, em português “sinta queimar”, pois em inglês “burn” e “bern” têm sons semelhantes).

Mas por que o crescimento de Sanders nas pesquisas afetaria o Brasil? Pela relação umbilical de Bolsonaro com Trump. Sanders é o oposto de Trump em tudo, e é justamente por isso que está ganhando fôlego. Em agosto, no auge das queimadas na Amazônia, Sanders afirmou que se eleito “com certeza” consideraria impor sanções ao Brasil em função dos incêndios na floresta. “Usaríamos todas as ferramentas que estiverem à disposição para tentar garantir o fim das queimadas na Amazônia. O que está acontecendo no Brasil é extremamente perigoso“, afirmou.

Bolsonaro e seus comparsas

Em um post no Twitter, ele foi mais direto: “Bolsonaro e seus comparsas das corporações estão queimando a Floresta Amazônica para ter lucro pessoal e estão colocando em risco a sobrevivência de nosso planeta”. É difícil imaginar um presidente dos Estados Unidos mais anti-Bolsonaro do que Sanders.

EUA e Brasil

Ele comemorou a libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e responsabilizou o presidente brasileiro pelo processo movido pelo Ministério Público Federal contra o jornalista Glenn Greenwald. “A imprensa livre é mais importante do que nunca quando expõe as más ações dos poderosos. É por isso que o presidente Bolsonaro está ameaçando Glenn Greenwald pelo ‘crime’ de fazer jornalismo. Que o Brasil pare com seu ataque autoritário à liberdade de imprensa e ao Estado de Direito”, escreveu no Twitter.

EUA e Brasil são aliados históricos. O pior momento das relações Brasil e EUA ocorreu nos anos 1970, quando Ernesto Geisel e Jimmy Carter eram presidentes. A política externa de Carter era baseada na defesa dos direitos humanos, enquanto a política interna de Geisel era feita nos presídios do DOI-Codi. Não tinha como dar certo.

Em 1977, o Congresso norte-americano obrigou o Departamento de Estado a divulgar relatório sobre a situação dos direitos humanos no Brasil, que conferiu carimbo oficial e visibilidade internacional às denúncias de torturas e perseguições políticas. Com as devidas licenças das circunstâncias históricas, a química entre Bolsonaro e Sanders vai ser parecida à de Geisel e Carter.

Em termos realistas, Donald Trump é o favorito para ser reeleito. A economia cresce há quase dez anos, a taxa de desemprego está na mínima histórica e o partido Republicano é completamente dependente do presidente. Mas se Sanders se tornar o candidato democrata, mesmo o favoritismo de Trump será incapaz de proteger o governo Bolsonaro. É uma questão de risco.

Donald Trump

Trump é favorito, mas Hillary Clinton também era e investimento não suporta insegurança. A simples candidatura de Sanders e sua retórica por mais restrições e impostos contra as grandes corporações e bancos irão afetar as bolsas no mundo todo. Empresários terão cautela em assegurar investimentos, ainda mais em um país que pode vir a ser alvo de sanções oficiais. O efeito dessa turbulência na economia brasileira será direto.

Sobram duas alternativas para Guedes e Bolsonaro. A primeira é torcer para que os democratas escolham um candidato moderado como Joe Biden, o político que vende geladeiras para esquimós. A segunda é profissionalizar as relações exteriores.

Bolsonaro construiu uma diplomacia pelo seu gosto pessoal. Ao assumir, ele tinha aliados entre os líderes da Itália, Argentina, Israel, EUA e Hungria. A Itália e a Argentina mudaram de rumo, Israel está sem governo e Trump enfrentará eleições este ano. Corretamente, Bolsonaro recuou na sua retórica de campanha anti-China e normalizou as relações a partir do segundo semestre de 2019.

A campanha eleitoral norte-americana é uma boa oportunidade para fazer o mesmo com os EUA, tratando questões bilaterais como de interesses de dois países – e não de dois presidentes. Ou, então, o Brasil corre o risco de manter boas relações apenas com a Hungria.

Thomas Traumanné jornalista e consultor de comunicação, foi porta-voz e ministro de Comunicação Social do governo Dilma Rousseff e pesquisador de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *