Biden reintroduz restrições de viagens de brasileiros aos EUA

Arquivado em: África, América do Norte, América Latina, Europa, Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 26 de janeiro de 2021 as 11:06, por: CdB

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, reintroduziu as restrições de viagens para pessoas não residentes vindas do Brasil, Reino Unido, e dos países europeus da Área Schengen para conter o avanço da pandemia de covid-19. Também entrou na determinação, a partir de 30 de janeiro, a África do Sul.

Por Redação, com ANSA – de Washington

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, reintroduziu as restrições de viagens para pessoas não residentes vindas do Brasil, Reino Unido, e dos países europeus da Área Schengen na segunda-feira para conter o avanço da pandemia de covid-19. Também entrou na determinação, a partir de 30 de janeiro, a África do Sul.

Medidas também valem para europeus e sul-africanos

A medida revoga uma das últimas ordens executivas assinadas pelo ex-presidente Donald Trump, que liberou os viajantes desses países por considerar que eles “cumpririam” as novas regras de quarentena e de realização de testes negativos para a doença antes e depois do embarque.

Com isso, os cidadãos desses países, ou que passaram por eles nos 14 dias anteriores à viagem, só poderão ir para os Estados Unidos nos casos já previstos: ou sendo residentes permanentes (onde precisarão cumprir a quarentena mais a apresentação de testes) ou viajando por motivos de trabalho.

Conter a disseminação do coronavírus

Essa é mais uma das medidas anunciadas por Biden para tentar conter a disseminação do coronavírus Sars-CoV-2 e suas variantes no país.

Desde que assumiu, em 20 de janeiro, o novo presidente lançou um plano nacional centralizado de combate à covid-19 e reforçou a importância das medidas de prevenção, como o uso de máscaras, lavar as mãos constantemente e manter o distanciamento social.

Os EUA são os mais afetados no mundo em números totais da doença, com mais de 25 milhões de casos confirmados e 421 mil mortes.