Bloco de Maia apresenta rachaduras, com assédio de Bolsonaro

Arquivado em: Brasil, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 9 de dezembro de 2020 as 16:10, por: CdB

Diante da pressão do Planalto, o vice-presidente da Câmara, Marcos Pereira (Republicanos-SP), ameaça deixar o grupo de Maia, lançar candidatura própria e, assim, promover a divisão do bloco parlamentar.

Por Redação – de Brasília

Vetado na tentativa de reeleição à Presidência da Câmara, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) tem agora o desafio de unificar sua base para o apoio a um único candidato. Diante do jogo pesado do governo na tentativa de consolidar o mandato do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), no Legislativo, uma disputa interna desidrata a iniciativa da oposição.

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) reclama da pressão do Planalto sobre o Congresso
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) reclama da pressão do Planalto sobre o Congresso

Diante da pressão do Planalto, o vice-presidente da Câmara Marcos Pereira (Republicanos-SP), ameaça deixar o grupo de Maia, lançar candidatura própria e, assim, promover a divisão do bloco parlamentar.

Pereira se diz insatisfeito com o que considera predileção de Maia por outros pré-candidatos à sucessão na Câmara. Ele cita os deputados Baleia Rossi (MDB-SP) e Aguinaldo Ribeiro (Progressistas-PB).

— Não aceito entrar em jogo jogado — disse Pereira, bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus.

Conab

O deputado é o presidente nacional do Republicanos e já se reuniu com o deputado Arthur Lira (Progressistas-AL), arquirrival de Maia e pré-candidato à presidência da Câmara, com apoio declarado de Bolsonaro.

Lira, segundo disseram interlocutores de Pereira à reportagem do Correio do Brasil, chegou a convidá-lo a ocupar um ministério, na reforma em curso no gabinete presidencial. O parlamentar já foi ministro da Indústria e Comércio Exterior, durante o governo de Michel Temer. Ele negou, no entanto, a jornalistas, que tenha intenção de voltar à Esplanada.

Embora, diretamente, Pereira possa não voltar ao governo, um militante evangélico maranhense do Republicanos recebeu de Bolsonaro a Presidência da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Lista

Maia, por sua vez, pretende apoiar um candidato extraído da comunhão entre o DEM, o MDB, PSDB e Cidadania; além do Republicanos, PSL, PROS e demais partidos de oposição, entre eles as legendas de esquerda PT, PSOL, PDT, PSB e PCdoB. Unidas estas legendas teriam 300 dos 513 votos da Casa, mais do que o suficiente para derrotar Lira e o ‘Centrão’.

Uma série de divergências, no entanto, pontuam a aliança tanto na direita, quanto à esquerda.  Com cerca de 130 votos, os partidos da centro-esquerda atuam como uma espécie de “fiel da balança” na eleição da Câmara. O PT e o PSB, contudo, estão divididos e alegam que precisam saber quem será o candidato de Maia. Negociam, ainda, cargos em comissões e na Mesa Diretora, além de emendas ao Orçamento.

O atual presidente da Casa, para apressar o processo, promete escolher o seu candidato já na semana que vem. Além de Pereira, a lista é composta pelos deputados Baleia Rossi (MDB-SP), Elmar Nascimento (DEM-BA), Aguinaldo Ribeiro (Progressistas-AL) e Luciano Bivar (PSL-PE). Maia ainda não se manifestou sobre as ameaças de cisão interna, mas já faz as contas de quantos votos precisará para suprir uma eventual saída do bispo licenciado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code