BNDES contesta plano de recuperação judicial do grupo Odebrecht

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado sábado, 5 de outubro de 2019 as 13:01, por: CdB

O BNDES questiona as bases do plano apresentado pela construtora, que tem uma dívida bilionária com o banco de fomento. O plano tem como objetivo equacionar dívidas de cerca de R$ 98 bilhões.

Por Redação, com Reuters – do Rio de Janeiro

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) apresentou à Justiça uma contestação ao plano de recuperação judicial do grupo Odebrecht por considerá-lo incapaz de salvar a empresa do risco de uma eventual falência e pediu que um novo plano seja elaborado. O pedido do banco foi informado neste sábado.

A dívida da Odebrecht com o BNDES é de mais de R$ 8 bilhões e apenas parte do volume tem como garantia ações da empresa do ramo petroquímico Braskem
A dívida da Odebrecht com o BNDES é de mais de R$ 8 bilhões e apenas parte do volume tem como garantia ações da empresa do ramo petroquímico Braskem

No documento, o BNDES questiona as bases do plano apresentado pela construtora, que tem uma dívida bilionária com o banco de fomento. O plano tem como objetivo equacionar dívidas de cerca de R$ 98 bilhões.

A dívida da Odebrecht com o BNDES é de mais de R$ 8 bilhões e apenas parte do volume tem como garantia ações da empresa do ramo petroquímico Braskem, considerada um dos melhores ativos do grupo Odebrecht.

“O BNDES apresentou ontem (4 de outubro) sua objeção ao plano de recuperação judicial da Odebrecht”, informou o BNDES, neste sábado, por meio de sua assessoria de imprensa.

O BNDES e o risco de extinção

“O BNDES considerou que a proposta não demonstra capacidade de recuperação da empresa”, acrescentou a nota.

Movimento semelhante a esse já tinha sido feito pelo Banco do Brasil. Já a Caixa Econômica Federal foi mais além e pediu à Justiça a falência da Odebrecht.

Ao longo dos governos do PT, o grupo Odebrecht foi um dos grandes tomadores de empréstimos junto ao BNDES para seus investimentos locais e até internacionais.

A construtora esteve do centro dos escândalos de pagamento de propina e corrupção descobertos pela operação Lava Jato nos últimos anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *