Bolsas no mundo inteiro variavam em razão do surto de coronavírus

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 3 de março de 2020 as 19:07, por: CdB

Por volta das 12h30, o Dow Jones tinha queda, enquanto o S&P 500 e o Nasdaq registravam leve alta. Na Europa, as bolsas subiam quase 2%, mas já apresentaram avanços mais expressivos. No Brasil, o Ibovespa firmou-se em alta, ganhando mais de 1%.

Por Redação, com Reuters – de São Paulo e Nova York, NY-EUA

A decisão inesperada do Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano), de um corte de 0,50 ponto percentual na taxa de juro, movimentava as bolsas de Valores, dentro e fora do Brasil. A epidemia de coronavírus serviu de base para a autoridade monetária dos Estados Unidos reduzir o juro para a faixa de 1% a 1,25%. Os indicadores de Nova York já operaram no campo positivo e negativo desde o anúncio inesperado.

O nervosismo tomou conta dos operadores da Bolsa de Valores de Nova York, nesta terça-feira, após o discurso de Trump
O nervosismo tomou conta dos operadores da Bolsa de Valores de Nova York, nesta terça-feira, em face das notícias sobre o novo coronavírus

Por volta das 12h30, o Dow Jones tinha queda, enquanto o S&P 500 e o Nasdaq registravam leve alta. Na Europa, as bolsas subiam quase 2%, mas já apresentaram avanços mais expressivos. No Brasil, o Ibovespa firmou-se em alta, ganhando mais de 1%.

Às 13h27, o índice da Bolsa paulista subia 1,22 %, a 107.927,29 pontos. Até o início desta tarde, o principal índice de ações da B3 já oscilou da mínima de 106.266,42 pontos à máxima de 108.702,24 pontos. O volume financeiro chegava a R$ 5,481 bilhões.

Coronavírus

Ministros das Finanças e presidentes dos bancos centrais do G7 disseram, pela manhã, que usarão todas as ferramentas econômicas apropriadas para alcançar um crescimento forte e sustentável e se proteger contra os riscos negativos do coronavírus, em meio a temores de recessão global.

As taxas dos títulos da dívida norte-americana já refletiam uma possibilidade de corte no custo do dinheiro nos Estados Unidos neste mês. “Com o clima de corte de juros, muita gente está voltando com a estratégia de comprar bolsa e comprar dólar”, afirmou o gestor Alfredo Menezes, da Armor Capital, no Twitter.

Para o chefe de renda variável e estratégia global de ações do Julius Baer, Patrik Lang, o coronavírus é um choque externo temporário, e esses choques diferem das recessões tradicionais, onde os desequilíbrios econômicos precisam ser ajustados e tendem a ser dolorosos e demorados.

Eleições

“Continuamos argumentando que o choque da semana passada (que derrubou as bolsas nos EUA) será temporário e que o ‘sell-off’ provavelmente dará lugar a uma recuperação em forma de V nos próximos meses”, afirmou em nota a clientes.

Agentes financeiros também observaram a ‘Super Terça” nos Estados Unidos, quando 14 Estados e um território realizavam, ao longo do dia, as primárias que podem indicar melhor qual pré-candidato presidencial democrata os eleitores preferem para desafiar o presidente republicano Donald Trump em novembro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *