Bolsonaro é acusado de crime contra a Humanidade e vai ao TPI

Arquivado em: Brasil, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 15 de abril de 2021 as 16:36, por: CdB

Na reunião, o eurodeputado Miguel Urban Crespo, do partido de esquerda espanhol Podemos, afirmou que Jair Bolsonaro “declarou guerra aos pobres, à ciência, à vida e à Medicina”. Crespo acrescentou que o mandatário brasileiro pratica “a necropolítica”, contra a humanidade e o povo brasileiro”.

Por Redação, com agências internacionais – de Bruxelas

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi formalmente acusado, nesta quinta-feira, de cometer crime contra a Humanidade por conta da crise sanitária que vive o Brasil. A acusação ocorreu durante audiência convocada pelo Parlamento Europeu e a denúncia será encaminhada ao Tribunal Penal Internacional, com sede em Haia, na Holanda.

O Plenário do TPI reúne-se, cotidianamente, para o julgamento de crimes contra a Humanidade
O Plenário do TPI reúne-se, cotidianamente, para o julgamento de crimes contra a Humanidade

Durante a sessão do Parlamento, deputados afirmaram que a situação do país é resultado de decisões políticas por parte do governo federal, de acordo com informações do correspondente internacional Jamil Chade, publicadas no portal UOL, de propriedade do diário conservador paulistano Folha de S. Paulo.

Contágios

Na reunião, o eurodeputado Miguel Urban Crespo, do partido de esquerda espanhol Podemos, afirmou que Jair Bolsonaro “declarou guerra aos pobres, à ciência, à vida e à Medicina”.

— Vamos dizer claramente: a necropolítica de Bolsonaro é um crime contra a humanidade e contra o povo brasileiro — afirmou.

Segundo Crespo, trata-se de uma “autêntica vergonha” a União Europeia continuar negociando um acordo comercial com o Mercosul.

— Hoje, o Brasil é o epicentro da pandemia. O país tem 3% da população mundial, mas tem 12% das mortes e 10% dos contágios — acrescentou.

A eurodeputada alemã pelo Partido Verde e vice-presidente da delegação do Parlamento Europeu para assuntos relacionados ao Brasil, Anna Cavazzini, também apontou que a situação no Brasil “é uma tragédia, que poderia ter sido evitada se não fossem decisões políticas equivocadas”.

Desinformação

A deputada questionou, ainda, outros pontos como a falta de políticas sanitárias para a população indígena e também sobre o dinheiro destinado pela União Europeia ao Brasil.

— A covid-19 virou uma crise social, com pessoas indo para cama com fome. Se Bolsonaro nega a crise e coloca medidas que impedem a ação contra a pandemia, para onde é que o dinheiro vai? — questionou Cavazzini.

A diretora da ONG brasileira Conectas Direitos Humanos, Camila Asano, também participou do debate e afirmou que Bolsonaro disseminou desinformação, endossando a tese de que o presidente cometeu crime contra a humanidade.

— Sofremos perdas de vidas que poderiam ser evitadas. Mas não vivemos mais em uma normalidade democrática — concluiu.