Bolsonaro avisa que não estará na posse de Fernández

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 1 de novembro de 2019 as 12:25, por: CdB

“Torci, torci, pelo outro, mas já que ganhou, vamos em frente. Da minha parte, não tem qualquer retaliação”, disse Bolsonaro.

Por Redação – de Brasília

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta sexta-feira que não irá na posse do presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández. À jornalistas, na saída do Palácio da Alvorada, o mandatário disse que espera que o novo governo faça a mesma política de Maurício Macre.

– Não vou – disparou Bolsonaro ao ser questionado se estaria presente na posse do colega argentino.

Há quatro dias, Jair Bolsonaro afirmou que não iria parabenizar o argentino pela vitória na eleição presidencial argentina
Há quatro dias, Jair Bolsonaro afirmou que não iria parabenizar o argentino pela vitória na eleição presidencial argentina

– Torci, torci, pelo outro, mas já que ganhou, vamos em frente. Da minha parte, não tem qualquer retaliação. Espero que eles continuem fazendo uma política conosco, uma semelhante à que o Macri fez até o momento – acrescentou.

Há quatro dias, Jair Bolsonaro afirmou que não iria parabenizar o argentino pela vitória na eleição presidencial argentina. No mesmo dia, ele reiteirou que o país vizinho pode inclusive ser afastado do Mercosul.

– Lamento, eu não tenho bola de cristal, mas acho que a Argentina escolheu mal. Primeiro ato do Fernández foi já Lula Livre, dizendo que ele está preso injustamente, já disse a que veio – disse Bolsonaro a jornalistas ao deixar os Emirados Árabes Unidos a caminho do Catar, sua próxima parada em uma viagem pela Ásia e o Oriento Médio.

– Vamos esperar o tempo para ver qual é a posição real dele na política. Ele vai assumir, vai tomar pé do que está acontecendo, e vamos ver qual linha ele vai adotar – afirmou.

Após o resultado das primárias, em agosto, Bolsonaro foi indagado sobre se procuraria Fernández caso ele vença a eleição presidencial e a resposta já havia sido não.

– Não, não. Ele é que vai ter que dar o sinal. Quando eu tomei posse eu falei que ia manter a democracia, a liberdade, abrir o mercado, respeitar as religiões, e é isso que eu estou fazendo – disse.

A vitória de Fernández, que tem a ex-presidente argentina Cristina Kirchner como vice, levou o peronismo de volta ao poder na Argentina após uma profunda crise econômica atravessada pelo país durante o governo Macri.

Durante a campanha eleitoral no país vizinho, Bolsonaro quebrou a tradição da posição brasileira de não comentar as questões políticas internas dos vizinhos e ameaçou tentar suspender a Argentina do Mercosul.

O presidente voltou a comentar essa possibilidade após a confirmação da vitória de Fernández, dizendo que será considerada caso o futuro governo argentino prejudique o acordo negociado pelo bloco com a União Europeia.

– Se interferir (no acordo Mercosul-União Europeia), segundo o Paulo Guedes, nós, não digo que sairemos do Mercosul, mas podemos juntar ali Paraguai, não sei o que vai acontecer nas eleições do Uruguai, e decidirmos se a Argentina fere alguma cláusula do acordo ou não – disse Bolsonaro.

– Se ferir, podemos afastar a Argentina, mas a gente espera que nada disso seja necessário fazer. Espero que a Argentina não queira, na questão comercial, mudar o seu rumo – acrescentou.

Para Bolsonaro, esquerdalha na Argentina

Em agosto, Bolsonaro disse que a Argentina poderia enfrentar uma crise migratória, com cidadãos deixando o país em direção ao Brasil, caso a oposição ao presidente Mauricio Macri conquistasse as eleições de outubro, como aconteceu em uma votação primária.

– Não se esqueçam, mais ao sul, da Argentina, o que aconteceu nas eleições de ontem. A turma da Cristina Kirchner, que é a mesma da Dilma Rousseff, que é a mesma de Maduro, Chávez e Fidel Castro, deu sinal de vida aqui – disse Bolsonaro.

– Povo gaúcho, se essa esquerdalha voltar aqui na Argentina, nós poderemos ter, sim, no Rio Grande do Sul, um novo Estado de Roraima, e não queremos isto, irmãos argentinos fugindo para cá, tendo em vista o que de ruim parece que deve se concretizar por lá caso essas eleições realizadas ontem se confirmem agora no mês de outubro – acrescentou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *