Bolsonaro diz que não tem câncer e mantém ofensa à mãe de jornalista

Arquivado em: Brasil, Últimas Notícias
Publicado sábado, 21 de dezembro de 2019 as 15:16, por: CdB

Na entrevista informal, admitiu que foi rude com um jornalista, na véspera, ao sugerir que ele seria homossexual e por ter ofendido a mãe do repórter, mas não retirou os insultos.

 

Por Redação – de Brasília

 

O presidente Jair Bolsonaro convidou alguns jornalistas para uma conversa, no Palácio da Alvorada, neste sábado, para dizer que seu possível futuro partido, o Aliança pelo Brasil, não tem qualquer chance de concorrer, nas próximas eleições. Descartou também que tenha um câncer, conforme havia previsto, há algumas semanas.

Bolsonaro convidou os jornalistas para 'degustar mangas', mas serviu apenas água e cafezinho
Bolsonaro convidou os jornalistas para ‘degustar mangas’, mas serviu apenas água e cafezinho

— Meu partido dificilmente vai ter condições de concorrer agora. A chance é 1%. Não tenho obsessão por formar o partido. Acho que Deus até me ajuda porque você sabe que eleições municipais não influenciam muito nas próximas. E às vezes você elege um cara numa capital aí, se o cara fizer besteira, você vai apanhar na campanha de 2022 todinha — disse.

Queiroz

Na entrevista informal, admitiu que foi rude com um jornalista, na véspera, ao sugerir que ele seria homossexual; além de desrespeitar a mãe do repórter ao perguntar se o pai dele havia lhe exigido algum tipo de recibo. O assunto surgiu após uma pergunta sobre o empréstimo dele para o ex-assessor Fabrício Queiroz.

Para Bolsonaro, o Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) abusa nas investigações sobre a suspeita de um esquema de “rachadinha” no gabinete do seu filho mais velho, Flávio, quando ele era deputado estadual.

— Se eu não tiver a cabeça no lugar, eu alopro. Que levem o caso dele de acordo com a alegação que está ali — disse Bolsonaro sobre o inquérito que apura possíveis atividades ilícitas de Queiroz.

Pau torto

Segundo o MP-RJ, o senador sem partido desviou cerca R$ 2,3 milhões e tentou ocultar o dinheiro ilícito em transações imobiliárias e numa loja de chocolates da Kopenhagen, em um shopping na Zona Oeste do Rio. A origem dos recursos estaria na “rachadinha”, coação de servidores para devolver parte do salário a parlamentares.

Embora tenha convidado os jornalistas para “degustar mangas” no Palácio da Alvorada, Bolsonaro permitiu que fossem servidos somente água e café. Sobre o ataque à imprensa, na véspera, disse que cometeu um erro, mas não se desculpou por ofender a mãe do jornalista.

— Sim, eu erro, não deveria ter falado. No futebol, de vez em quando, manda o colega ir para a ponta da praia. É a minha maneira de ser, não dá para mudar isso aí. Pau que nasce torto. é o linguajar que eu tenho. Não vejo como ofensivo — concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *