Bolsonaro afronta a Constituição e as instituições democráticas

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 6 de março de 2020 as 09:18, por: CdB

“Bolsonaro age o tempo todo como se ainda estivesse em campanha eleitoral, atacando seus adversários e elencando inimigos imaginários que desviam as atenções da inoperância de seu governo e dos escândalos de corrupção que cercam seus familiares e amigos milicianos.”

Por Wadson Ribeiro– de Brasília

O Brasil está mergulhado em um dos momentos mais difíceis de sua história. A vitória da extrema direita nas eleições de 2018 colocou no poder central da República uma perigosa combinação política que atenta contra os interesses da democracia, do desenvolvimento nacional e dos direitos do povo.

Bolsonaro age o tempo todo como se ainda estivesse em campanha eleitoral, atacando seus adversários
Bolsonaro age o tempo todo como se ainda estivesse em campanha eleitoral, atacando seus adversários

Bolsonaro promove a polarização política do país e ultrapassa todos os limites republicanos ao insuflar manifestações de rua contra o Congresso Nacional e o STF, num claro ataque à democracia e à Constituição Federal. Seu modo de agir faz parte de uma estratégia que visa aglutinar em torno de sua personalidade, de forma direta, sem partidos ou instituições, o setor mais radicalizado de seu eleitorado. Bolsonaro age o tempo todo como se ainda estivesse em campanha eleitoral, atacando seus adversários e elencando inimigos imaginários que desviam as atenções da inoperância de seu governo e dos escândalos de corrupção que cercam seus familiares e amigos milicianos.

Manifestações de rua

Alheios aos devaneios ideológicos ultradireitistas de Bolsonaro, a maior parte da população brasileira está interessada em emprego e crescimento econômico. A condição de vida da população tem piorado e o governo federal não consegue agir para enfrentar esse problema. Ao contrário, os cortes orçamentários em programas sociais como o Bolsa Família colocam na fila do programa mais de 3,5 milhões de pessoas.

Com continuidade dos cortes atuais, um milhão de famílias sairão do programa a cada ano, sem que outras ingressem. Além disso, áreas estratégicas como universidades, ciência e tecnologia, cultura, agricultura familiar, direitos humanos, entre outras, tiveram seus orçamentos reduzidos.

O PIB brasileiro

Ao mesmo tempo, a economia do país vai de mal a pior. A projeção do banco Goldman Sachs sobre o PIB brasileiro para este ano foi reduzida de 2,2% para 1,5%. O desemprego se mantém muito elevado, em torno de 12% e os postos de trabalho que são abertos estão sujeitos a todo tipo de precarização. A atividade industrial vem caindo sua participação na composição do PIB a cada ano. Aliado a isso, a crise com o Congresso Nacional impõe revezes como a adoção do orçamento impositivo que diminui o poder discricionário do governo federal em R$ 30 bilhões na execução do orçamento de 2020. Sem contar os efeitos negativos do Coronavirus no crescimento da economia mundial este ano, que terá efeitos concretos na economia do Brasil.

Bolsonaro pode até não gostar, mas dirigir o país é governar respeitando os partidos políticos do Congresso Nacional e as decisões constitucionais do STF. Até o momento, Olavo de Carvalho e seus discípulos no governo; os militares, a turma da Lava-Jato encabeçada por Sérgio Moro, o ideário econômico neoliberal de Paulo Guedes e os fundamentalistas religiosos que chutam imagens de santos, não estão dando conta de tirar o país da crise. Ao contrário, o modus operandi do governo tem afundado o país numa crise econômica e civilizacional.

Wadson Ribeiro, é presidente do PCdoB-MG, foi presidente da UNE, da UJS e secretário de Estado.

 

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *