Bolsonaro apoia declaração de Guedes quanto à edição de Ato Institucional

Arquivado em: Brasil, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 3 de dezembro de 2019 as 16:13, por: CdB

Bolsonaro também voltou a criticar o ex-presidente Lula e afirmou que o ex-presidente “tem trazido com as falas dele a intolerância” e que ele precisa “respeitar a decisão dos outros Poderes”.

 

Por Redação – de Brasília

 

Jair Bolsonaro afirmou, em entrevista à Rede Record, que foi pressionado, mas não irá demitir o ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre suas declarações dele sobre a possibilidade da introdução de um “novo AI-5” caso haja uma onda de protestos contra o governo.
Para Bolsonaro, as falas de Guedes e de seu filho, Eduardo Bolsonaro, sobre o AI-5, devem ser vistas como “liberdade de expressão”. “Eu não vejo nada demais”, ressaltou.

A PEC emergencial do governo Bolsonaro impõe gatilhos para o caso de crise financeira na União, estados e municípios
Bolsonaro diz que Lula faz um discurso radical e que poderá editar um novo AI-5, caso haja revolta nas ruas

Ainda segundo ele, Guedes está fazendo um “excelente trabalho” à frente da pasta e disse ter orientado que ele conversasse com o governo dos Estados Unidos sobre a ameaça feita pelo presidente Donald Trump, que nesta segunda-feira ameaçou sobretaxar o aço e o alumínio importados do Brasil. Bolsonaro disse que apesar da ameaça, a relação entre os dois países não corre riscos. “Somos um grande parceiro”, ressaltou.

Na entrevista, Bolsonaro também voltou a criticar o ex-presidente Lula e afirmou que o ex-presidente “tem trazido com as falas dele a intolerância” e que ele precisa “respeitar a decisão dos outros Poderes”.

Estudantes

Bolsonaro também aproveitou para atacar o governo do líder petista ao comentar sobre a classificação do ranking mundial de educação em leitura, matemática e ciências, no Brasil, estagnado entre os 20 piores do mundo.

Coordenado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) avaliou o desempenho de alunos de 15 anos de 79 países em matemática, ciências e leitura.

Na web, bolsonaristas tentam achar culpado para a nota baixa dos brasileiros. A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) lamentou o “resultado catastrófico do Brasil”, e não se esqueceu de pôr uma hashtag no fim do tweet, dizendo que “O PT destruiu a Educação”, com o que Bolsonaro disse concordar.

Em março de 2019, Bolsonaro reclamou que o Brasil investe muito em educação, e que o investimento não estaria trazendo melhorias no Pisa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *