Bolsonaro furta R$ 1,6 milhão, esconde bens e maltrata mulher, diz denúncia

Arquivado em: Brasil, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 28 de setembro de 2018 as 15:09, por: CdB

Na ação, Valle diz que o ex-marido escondeu em sua declaração à Justiça Eleitoral em 2006 a posse de três casas, um apartamento, uma sala comercial e cinco lotes, e que tinha renda mensal de R$ 100 mil.

 

Por Redação – do Rio de Janeiro

 

Candidato do PSL à Presidência da República, o neofascista Jair Bolsonaro foi acusado pela ex-mulher Ana Cristina Siqueira Valle, em processo judicial aberto em 2008, por ocultar patrimônio da Justiça Eleitoral. Ele responde, ainda, por renda mensal acima da declarada no Imposto de Renda e furto de um cofre bancário pertencente a ela. Os dados foram revelados em reportagem da revista semanal de ultradireita Veja, que chega às bancas neste final de semana.

Deputado Jair Bolsonaro, candidato neofascista à Presidência da República, é acusado pela ex-mulher

Na ação, Valle diz que o ex-marido escondeu em sua declaração à Justiça Eleitoral em 2006 a posse de três casas, um apartamento, uma sala comercial e cinco lotes, e que tinha renda mensal de R$ 100 mil. Oficialmente, no entanto, Bolsonaro recebia, à época, R$ 26,7 mil como deputado; mais R$ 8,6 mil reais como militar da reserva, de acordo com a publicação.

Bolsonaro também é acusado, no processo; além de extrema brutalidade com a mulher, de furtar um cofre de propriedade dela no Banco do Brasil; em outubro de 2007. Ele teria levado joias avaliadas em R$ 600 mil; US$ 30 mil em espécie e mais R$ 200 mil em dinheiro vivo. No total, em valores atualizados, seriam cerca de R$ 1,6 milhão, de acordo com a ação judicial citada pela revista.

A reportagem do Correio do Brasil procurou a assessoria de imprensa do candidato Bolsonaro, mas esta sequer atendeu às ligações.

Itamaraty

Na mensagem publicada em uma rede social, mais cedo, o filho do candidato que também concorre a cargo público Carlos Bolsonaro não citou a reportagem. Mas tratou de tentar desacredita-la:

“Pelo jeito a imprensa nem dormiu esta madrugada! Começaram com a mais maciça ação do período eleitoral por volta de 2h e agindo em bloco. Por que será que não há essa preocupação com os outros candidatos? É o sistema! Muito tranquilo! Mais uma vez se darão mal!”.

A ex-mulher de Bolsonaro, que também concorre a uma vaga na Câmara dos Deputados, na legenda do Podemos fluminense, com nome Cristina Bolsonaro, atualmente apoia o ex-companheiro. Ela chegou a publicar um vídeo na página que mantém em uma rede social em que tenta desmentir o Itamaraty.

No início da semana, no entanto, foi confirmado o relato de que Ana Cristina denunciou ao Itamaraty, em 2009, que o presidenciável a ameaçou de morte. Este teria sido o motivo, à época, da fuga com o filho do casal para a Noruega. Ana Cristina também não foi localizada pela reportagem do CdB,

Campanha

Mas a denúncia da ex-mulher, no entanto, não é a única a circular pelas revistas semanais. A reportagem da revista semanal de direita Época, de propriedade das Organizações Globo, também revela que a produtora de vídeo Mosqueteiros Filmes Ltda, em Petrolina (PE), recebeu, segundo a prestação de contas parcial que a campanha de Jair Bolsonaro (PSL) apresentou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), R$ 240 mil, cerca de 20% do total de gastos da campanha até agora.

Acontece, porém, que onde deveria funcionar o QG da produção de vídeos para a TV e redes sociais da candidatura presidencial, havia apenas uma casa vazia. No muro, uma placa anuncia que ela está à venda. O imóvel está sem uso há mais de dois anos, segundo os moradores do bairro.

O serviço é realizado por funcionários de outra empresa, cujo sócio é parente dos donos da Mosqueteiros, diz a matéria. Para a advogada Karina Kufa, responsável pela prestação de contas da campanha, trata-se de um problema trabalhista da produtora.

Suposto ataque

Segundo advogados eleitorais, informar na prestação de contas o CNPJ de uma empresa laranja; que não é a que de fato está prestando o serviço, pode ser considerado crime de falsidade ideológica eleitoral se constatada a intenção de fraude.

Alvo de um suposto ataque a facada, Bolsonaro segue internado no hospital Albert Einstein, em São Paulo. O paciente apresentou, nesta manhã, uma alta isolada da temperatura, sem outros sinais de infecção.

Segundo a equipe médica, ele deve ter alta no fim de semana se as condições atuais se mantiverem. O presidenciável neofascista segue internado desde 7 de setembro.