Bolsonaro ‘está jogando o país no abismo’, afirma professor

Arquivado em: Brasil, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 18 de janeiro de 2021 as 15:23, por: CdB

De acordo com o professor, Pazuello é um “suposto” especialista em logística que não demonstrou “racionalidade, nem capacidade de cálculo”. Ele repete, assim, a mesma incapacidade demonstrada por Bolsonaro para lidar com a questão da vacina.

Por Redação, com RBA – do Rio de Janeiro

A disputa pelo protagonismo da vacina entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria, é “algo que não se vê em nenhuma parte do mundo”, afirma o professor de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) Willians Gonçalves. Segundo ele, nada que se refere à vida “comove” o presidente.

Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello
Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello tem dados seguidas demonstrações de incompetência

— Todo esse processo mostra que Bolsonaro não tem a menor condição de continuar como presidente. Ele está jogando o país no abismo — afirmou.

Em entrevista à agência brasileira de notícias Rede Brasil Atual (RBA), nesta segunda-feira, Gonçalves afirmou que Doria “merece elogios”, por ter se cercado de uma equipe confiável e ter apostado na ciência.

Vacina

Neste domingo, a enfermeira Monica Calazans foi a primeira pessoa no país a receber a vacina contra o novo coronavírus. A aplicação ocorreu em São Paulo, minutos depois da CoronaVac ter sido aprovada pela Anvisa para uso emergencial. O ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, acusou Doria de promover uma jogada de “marketing”. Bolsonaro, por sua vez, calou-se.

De acordo com o professor, Pazuello é um “suposto” especialista em logística que não demonstrou “racionalidade, nem capacidade de cálculo”. Ele repete, assim, a mesma incapacidade demonstrada por Bolsonaro para lidar com a questão da vacina.

— Que ele é uma pessoa sem capacidade e sem qualificações necessárias para conduzir o governo de um país grande e complexo, até as pedras sabem — acrescentou.

Impeachment

Com o agravamento da pandemia, com cenas de pessoas morrendo sem oxigênio em Manaus, além dos desencontros em relação à vacinação, deram novo impulso aos pedidos de impeachment contra Bolsonaro. Para o especialista, a responsabilidade pela sua permanência é do Congresso Nacional e dos tribunais superiores. Essas instituições, se estivessem funcionando adequadamente, já poderiam ter colocado freios em suas ações.

No entanto, Gonçalves avalia que o que mantém Bolsonaro é o ministro da Economia, Paulo Guedes, apoiado pelos empresários e operadores do sistema financeiro. No entanto, sua agenda de corte de gastos e redução de direitos sociais também vem conduzindo o país à “ruína”.

– É por isso que Bolsonaro continua. Porque a sua incapacidade e falta de dignidade todo mundo sabe. O problema é que querem sustentar Guedes e sua política econômica enlouquecida, que está jogando o país na miséria  — resumiu.