Bolsonaro está longe ainda de se livrar das ações judiciais contra ele e seus filhos

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 1 de fevereiro de 2021 as 15:57, por: CdB

“Ex-Procuradores gerais da República resolveram agir e foram ao atual PGR, Aras, denunciar Bolsonaro pelo crime de auxiliar na disseminação da pandemia do coronavírus. A pena vai de cinco a 15 anos de cadeia”, escreveu Mello.

Por Redação – do Rio de Janeiro

Embora pareça liberado de um processo de impeachment, o presidente Jair Bolsonaro está longe, ainda, de se livrar das ações judiciais que pesam sobre ele e seus familiares. “A lista de crimes cometidos por Bolsonaro na presidência da República se avoluma e cresce a cada dia. Já são mais de 60 os pedidos de impeachment protocolados na Câmara dos Deputados, que dormem sob a abundância de Rodrigo Botafogo Maia”, desenhou o escritor, roteirista Antonio Mello, editor do Blog do Mello, um dos mais reverenciados na análise política brasileira, a partir do Rio de Janeiro.

Jair Bolsonaro, cada vez mais atolado com o ‘Centrão’, ainda tem uma pilha de processos judiciais pesando contra ele e seus filhos

“Por isso, ex-Procuradores gerais da República resolveram agir e foram ao atual PGR, Aras, denunciar Bolsonaro pelo crime de auxiliar na disseminação da pandemia do coronavírus. A pena vai de cinco a 15 anos de cadeia. Como é cometido continuamente e de modo frio e até zombeteiro, provavelmente a condenação será a 15 anos. Só por esse crime, noves fora os outros”, acrescentou.

Apologia

Ainda segundo Mello, “o documento (entregue a Aras) lista dez condutas do presidente que configuram crime por parte de Bolsonaro, na opinião dos procuradores. Entre as condutas, está a posição contrária à vacinação; a má condução da distribuição das vacinas; a imposição de obstáculos para a aquisição de insumos como seringas e agulhas; a ausência de resposta à carta da Pfizer; e as declarações contrárias à CoronaVac”.

“As outras cinco condutas são o desrespeito à Organização Mundial da Saúde (OMS); a má utilização de recursos públicos na produção de hidroxicloroquina e ivermectina; a apologia ao uso de remédios ineficazes contra a COVID-19; a prescrição de “tratamento precoce” contra a covid-19; e o veto a trecho da Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2021 que impedia o contingenciamento de despesas relacionadas ao combate da pandemia. A reação aos crimes de Bolsonaro está crescendo em onda e já, já ganhará as ruas para levar ao seu impeachment”, resumiu.