Bolsonaro parece ter medo do fantasma de Adriano, sugere governador da Bahia

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020 as 14:44, por: CdB

Tamanho empenho no caso do miliciano morto, no entanto, já aborrece até os aliados mais próximos do Planalto. Ao assumir sua proximidade com o criminoso, Bolsonaro se coloca como protagonista de uma organização que praticava a “rachadinha” em gabinetes parlamentares do Estado do Rio de Janeiro e está envolvida em dezenas de assassinatos.

 

Por Redação – de Salvador e Brasília

 

O governador da Bahia, Rui Costa, ao se manifestar nesta quarta-feira sobre a morte do chefe do ‘Escritório do Crime’, Adriano da Nóbrega, disse que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) parece ter medo do desfecho das investigações. O fantasma do capitão da milícia parece assombrar a família do mandatário neofascista.

— Talvez seja um problema tão grave, que ele deve acordar, almoçar, jantar e dormir pensando 24 horas nisso. É como se ele tivesse com receio de alguma coisa ser descoberta — afirmou o governador petista.

Rui Costa, com seu antecessor, Jacques Wagner, ao fundo, foi reeleito para o governo da Bahia
Rui Costa destaca a preocupação da família Bolsonaro com os rumos das investigações sobre a milícia, no Estado do Rio

O governante baiano também falou sobre os aparelhos celulares apreendidos com Adriano da Nóbrega.

— O material foi todo enviado ao Rio de Janeiro, usando os meios legais, e quem irá apurar isso é o Ministério Público do Rio — acrescentou, em conversa com jornalistas.

Holofote

Tamanho empenho no caso do miliciano morto, no entanto, já aborrece até os aliados mais próximos do Planalto. Ao assumir sua intimidade com o criminoso, a quem honrou com a Medalha Tiradentes enquanto ele estava preso, sob suspeita de um crime grave, Bolsonaro se coloca como protagonista de uma organização que praticava a “rachadinha” em gabinetes parlamentares do Estado do Rio de Janeiro e está envolvida em dezenas de assassinatos, entre eles o vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ).

No Parlamento, mesmo na suposta base de apoio ao governo, um parlamentar de alto calão comentou com jornalistas, nesta manhã, que “é preciso esclarecer as circunstâncias da morte do Adriano.

— Mas o presidente da República, priorizando esse caso, joga um holofote excessivo — acrescentou.

Algemas

O destaque de Bolsonaro e do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), seu filho mais velho, à morte do miliciano revela a preocupação do clã com uma investigação que poderá complicar, ainda mais, a presença de Bolsonaro no Palácio do Planalto.

Do outro lado, na oposição, o tom é semelhante. O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) usou suas redes sociais, no início desta tarde, para expor os esquemas escusos do clã Bolsonaro e como a família opera para se esquivar das investigações.

“Os ‘Bolsonaros’ sabem que o impeachment é somente a porta de saída. A perda da proteção institucional levará a famíglia as tribunais e a chance de acabarem sua trajetória na cadeia é enorme. O pavor das algemas e das revelações do submundo de onde vieram os tornam perigosos”, escreveu Pimenta.

Rotina

O líder petista também aponta a razão do clã defender figuras como Fabricio Queiroz e o miliciano morto Adriano da Nobrega.

“O núcleo familiar/miliciano não percebe que as ameaças e a virulência são reveladora do envolvimento do clã nos esquemas criminosos. Defender Adriano, Queiroz e as Fake News tornou-se decisivo para evitar mais traições e potenciais delatores que surgirão mais dia menos dia”, acrescenta.

“É perceptível que quanto mais acuado mais violento e agressivo o núcleo familiar do ‘esquema Bolsonaro reage’. Três temas desestabilizam a ‘famiglia’: Queiroz, Capitão Adriano e Rede de Fake News. Como se investigações avançam nestas três frentes as agressões se tornaram rotina”, conclui o deputado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *